Cresce apoio à independência da Escócia mesmo a contragosto de Londres

Documento revela suposto "estudo" para barrar independência da Escócia; demanda aumentou em 2020
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Ao mesmo tempo em que o apoio sobre uma possível declaração de independência da Escócia cresce, a Inglaterra tenta barrar os planos da nação, que integra o Reino Unido.

Em um documento ao qual a Bloomberg teve acesso nesta segunda (19), Londres teria contratado uma empresa de consultoria política para buscar táticas que barrem um referendo pró-independência.

O objetivo seria impedir o Partido Nacional Escocês, que é favorável ao desmembramento, a dar continuidade no assunto caso a sigla seja eleita nas eleições de maio de 2021.

A reivindicação pela independência escocesa é uma forte corrente no país e já dura três séculos. A Escócia chegou a ser independente entre 843 a 1707, e sua reunificação ao Reino Unido é até hoje motivo de discussão entre nacionalistas.

Cresce apoio à independência da Escócia mesmo a contragosto do Reino Unido
Cartazes em protesto na Escócia pedem pela desvinculação do país com Londres, em Edimburgo, em registro de dezembro de 2019 (Foto: Pixabay/Emphyrio)

Estima-se que 58% da população apoia a independência. O índice é o mais alto dos últimos tempos e reflete a impopularidade do Reino Unido com os escoceses.

A resposta de à pandemia da Covid-19 e das consequências econômicas deixadas pelo Brexit, sobretudo na relação comercial com a UE (União Europeia) podem ter acentuado o movimento pró-independência.

De acordo com o memorando ao qual a Bloomberg teve acesso, continuar a rejeitar os pedidos escoceses pela independência total pode ser “contraproducente”.

O ideal seria uma concessão maior de poderes à Edimburgo e ratificar um novo acordo por meio do voto popular. Pressionar a União Europeia para rejeitar a ideia também pode ser mais efetivo, diz o documento.

O ministro inglês Michael Gove teria recebido o documento, mas se recusou a comentar o assunto. O conservador afirmou, no entanto, que o governo não encomendou o estudo.

Tags: