‘Corrupção está paralisando os Bálcãs’, diz ex-secretária de Estado dos EUA

Para Madeleine Albright, Washington deve "tomar providências" à crescente influência russa e chinesa na região
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A ex-secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, afirmou que a corrupção está “paralisando” os países ocidentais dos Bálcãs. Washington também deve “tomar providências” ao avanço de influência da Rússia e China, avalia a ex-chefe da diplomacia norte-americana.

“Devemos atacar a corrupção galopante que está paralisando as instituições políticas e minando o estado de direito em toda a região”, disse ela ao Comitê de Relações Exteriores da Câmara, na última terça (8). O registro é da Radio Free Europe.

A pauta do encontro consistiu em recomendações políticas aos Bálcãs para o governo de Joe Biden, eleito em novembro. Albright se refere à Croácia, Montenegro, Sérvia, Macedônia do Norte, Albânia, Bósnia-Herzegovina e Kosovo.

“Em todos os países, os líderes parecem considerar os cargos políticos uma fonte de patrocínio para permanecer no poder. Enfrentar a captura de estado e erradicar essas influências deve ser uma prioridade”, apontou.

"Corrupção está paralisando os Balcãs", diz ex-secretária de Estado dos EUA
A ex-secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, em fala na Commonwealth, no estado norte-americano da Califórnia, em fevereiro de 2013 (Foto: Commonwealth/Ed Ritger)

Albright foi secretária de Estado do governo de Bill Clinton, entre 1997 e 2001. Para ela, os EUA precisam estreitar as relações com a Europa para resolver os problemas políticos na região dos Balcãs.

A iniciativa é uma resposta às tentativas de integrar a região a organizações ocidentais, como a União Europeia e Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Conflitos como o da Sérvia e Kosovo, que busca o reconhecimento como país independente, e ameaças dos sérvios étnicos de separatismo da Bósnia-Herzegovina, no entanto, estão atrasando este processo.

Influência deve ser combatida, dizem especialistas

Segundo Albright, a presença da Rússia e China na região é preocupante, assim como as tendências autocráticas do presidente sérvio, Aleksandar Vucic. Um exemplo é a recente instalação de um escritório militar russo na Sérvia, em outubro.

A grande rede de empréstimos chineses à região também deve ser observado de perto, disseram especialistas. Na audiência, o grupo sugeriu que Biden pressione Vucic para reconhecer o Kosovo e encerre a cooperação militar com a Rússia.

Após sua declaração de independência, em 2008, o Kosovo possui o reconhecimento dos EUA e União Europeia. Sérvia e Rússia ainda reconhecem o território como sérvio.

Além disso, o comitê se manifestou contra a retirada das forças de mais de 3,5 mil soldados da Otan do Kosovo. Segundo eles, o movimento seria um sinal de falta de compromisso com a região. Os EUA lideraram duas campanhas militar da Otan nos Bálcãs nos anos 1990.

Tags: