Lago disputado entre Sérvia e Kosovo pode ganhar o nome de Donald Trump

Sugestão de rebatizar o lago começou como uma "brincadeira" do embaixador dos EUA Richard Grenell
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A iniciativa de nomear o lago que separa a Sérvia de Kosovo como “Lago Presidente Donald Trump” começou como uma brincadeira, mas pode se tornar realidade, informou a Radio Free Europe.

Na quinta (24), o primeiro-ministro de Kosovo, Avdullah Hoti, acolheu a sugestão do embaixador norte-americano Richard Grenell, enviado à região para mediar o conflito, para unificar o nome da lagoa em homenagem a Trump.

Lago disputado entre Sérvia e Kosovo pode ganhar o nome de Donald Trump
Na ponte de travessia entre a Sérvia e Kosovo, manifestantes deixaram faixas nomeando o local como “Ponte Trump”, em setembro de 2020 (Foto: Reprodução/Kosovo Online)

No Twitter, Grenell republicou uma imagem com a frase “Lago Trump”. A faixa estava acoplada em uma das barragens. Segundo ele, os esforços dos EUA para a pacificação entre os dois países enseja o “rebatismo” do local.

O governo da Sérvia intitula o lago como Gazivoda e, em Kosovo, como Lago Ujman.

Segundo Hoti, o acolhimento da sugestão simboliza o “respeito” à mediação dos Estados Unidos nas negociações para normalizar as relações entre Kosovo e Sérvia, iniciadas em julho.

“É um sinal de honra a este grande passo em direção a um acordo político, que deve resultar em reconhecimento mútuo”, disse.

Grenell afirmou que as duas partes concordam com a mudança. O presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, ainda não se pronunciou sobre o assunto.

O impasse sobre o nome do lago é apenas um entre diversas disputas desde a guerra de independência de Kosovo da Sérvia, que começou em 1998 e durou cerca de um ano.

Desde a independência kosovar, declarada de forma unilateral dez anos depois do início do conflito, EUA e União Europeia reconhecem o país, mas Sérvia e Rússia não.

Desde o início do conflito, mais de 10 mil morreram e 1,6 mil permanecem desaparecidos.

Tags: