Em programa de vistos, Chipre concedeu passaporte a condenados e fugitivos

Passaporte chegou a ser concedido a empresário sob investigação na Ucrânia; UE pedia fim do programa desde 2013
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O governo de Chipre, ilha no Mediterrâneo que faz parte da UE (União Europeia), concedeu passaporte a pessoas investigadas e condenadas em seus países de origem em um programa de vistos mediante investimento. A informação, desta segunda (24), é da Al-Jazeera.

No caso cipriota, era preciso investir US$ 2,5 milhões para receber o passaporte e não ter antecedentes criminais. Os documentos foram liberados entre 2017 e 2019 pelo governo em Nicósia.

Em programa de vistos, Chipre concedeu passaporte a condenados e fugitivos
Praia de Kapparis, na ilha de Chipre (Foto: Flickr/dronepicr)

Os dados eram fornecidos pelos próprios interessados. Ao que tudo indica, diz a Al-Jazeera, Nicósia tinha um sistema pouco eficiente de checagem dos materiais que eram enviados por esses “investidores”.

O maior número de solicitações de passaporte vinha de cidadãos da Rússia, da China e da Ucrânia. Também há afegãos, venezuelanos, norte-americanos, britânicos, vietnamitas e sauditas na lista a qual a emissora do Catar teve acesso.

Entre os agraciados estão políticos de diversos países, um membro da família Bin Laden, o irmão de um ex-premiê libanês, um homem sancionado pelos EUA após roubar US$ 100 milhões em criptomoedas e membros dos Conselhos de estatais como a russa Gazprom.

O ucraniano Mykola Zlochevsky, dono da gigante Burisma, do setor de energia, comprou a cidadania durante investigação por corrupção em Kiev.

A União Europeia fez reiteradas críticas ao programa desde sua criação, em 2013, e chegou a pedir que fosse interrompido. O sistema de concessão de vistos é comum na Europa e usado como fonte de renda empaíses como Irlanda, Portugal, Espanha e Grécia. Para Chipre, o recurso rendeu US$ 8 bilhões em seis anos.

O país barrou processos de pessoas sob investigação ou sob sanções internacionais em maio de 2019. Em comunicado, informou que está investigando as informações e que vem fazendo mudanças no sistema de triagem de possíveis cidadãos.

Tags: