Após pandemia, guerra pode aumentar choque para países em desenvolvimento, diz ONU

Conflito pode piorar drasticamente as perspectivas econômicas para nações que já lutam para financiar a dívida relacionada à crise de saúde
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

As consequências da guerra na Ucrânia podem piorar drasticamente as perspectivas econômicas para os países em desenvolvimento que já lutam para financiar a dívida relacionada à pandemia de Covid-19, disse a ONU (Organização das Nações Unidas) em um relatório publicado na terça-feira (12).

Enquanto as nações ricas foram capazes de apoiar sua recuperação pandêmica com somas recordes emprestadas a taxas de juros ultrabaixas, os países mais pobres gastaram bilhões no serviço da dívida, impedindo-os de investir no desenvolvimento sustentável.

A Covid-19 empurrou mais 77 milhões de pessoas para a pobreza extrema em 2021, enquanto muitas economias permaneceram abaixo dos níveis anteriores a 2019, de acordo com o Relatório de Financiamento para o Desenvolvimento Sustentável: Transpondo a Divisão Financeira.

Além disso, estima-se que um em cada cinco países em desenvolvimento não verá seu PIB (Produto Interno Bruto) retornar aos níveis de 2019 até o final do próximo ano, antes mesmo de absorver os impactos do conflito na Ucrânia, que já afeta alimentos, energia, e finanças em todo o mundo.

Governos gastaram US$ 16 trilhões para fornecer apoio fiscal em meio à pandemia (Foto: Konstantin Evdokimov/Unplash)

O relatório foi produzido pelo DESA (Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU) em conjunto com mais de 60 agências internacionais, inclusive dentro do sistema da ONU, e instituições financeiras internacionais.

A vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, descreveu as descobertas como “alarmantes”, já que o mundo está na metade do caminho para financiar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“Não há desculpa para a inação neste momento decisivo de responsabilidade coletiva, para garantir que centenas de milhões de pessoas sejam retiradas da fome e da pobreza. Devemos investir no acesso a empregos decentes e verdes, proteção social, saúde e educação sem deixar ninguém para trás”, disse ela.

Novos desafios no horizonte

O relatório revela que, em média, os países em desenvolvimento mais pobres pagam cerca de 14% da receita pelos juros de sua dívida, enquanto o número é de 3,5% para as nações mais ricas.

A pandemia forçou os governos a cortar orçamentos para educação, infraestrutura e outros gastos de capital. As consequências da guerra na Ucrânia, como preços mais altos de energia e commodities, bem como novas interrupções na cadeia de suprimentos, apenas exacerbarão esses desafios e desencadearão novos.

A guerra também provavelmente resultará em aumentos adicionais do endividamento e da fome, ampliando ainda mais as “lacunas de recuperação pandêmica” que existiam antes do conflito.

Liu Zhenmin, chefe da DESA, apontou um potencial lado positivo para o caminho a seguir. “O mundo desenvolvido provou nos últimos dois anos que milhões podem ser retirados da pobreza com o tipo certo de investimento, feito em infraestrutura resiliente e limpa, proteção social ou serviços públicos”, disse.

De acordo com Zhenmin, as fatias do bolo precisam ser melhor compartilhadas. “A comunidade internacional deve aproveitar esse progresso e garantir que os países em desenvolvimento possam investir em níveis semelhantes, reduzindo a desigualdade e garantindo uma transição energética sustentável”

O ano passado também foi marcado por alguns avanços na redução da pobreza, proteção social e investimento em desenvolvimento sustentável, impulsionados por ações em países em desenvolvimento e algumas grandes nações em desenvolvimento, incluindo cerca de US$ 17 trilhões em gastos emergenciais da Covid-19.

Além disso, a ODA (Assistência Oficial ao Desenvolvimento) atingiu US$ 161,2 bilhões em 2020, o nível mais alto de todos os tempos. No entanto, 13 governos também cortaram esse apoio aos países em desenvolvimento, e a soma recorde ainda é insuficiente para atender às vastas necessidades.

A ONU teme que o aumento dos gastos com refugiados na Europa, outra consequência da guerra na Ucrânia, possa levar a cortes na ajuda aos países mais pobres do mundo.

Preenchendo a divisão financeira

Para superar a “grande divisão financeira”, o relatório pede que os países resolvam com urgência as lacunas de financiamento e os riscos crescentes da dívida.

Isso pode ocorrer por meio de várias medidas, como acelerar o alívio da dívida e expandir a elegibilidade para países de renda média altamente endividados.

“Seria uma tragédia se os doadores aumentassem seus gastos militares às custas da Assistência Oficial ao Desenvolvimento e da ação climática. E seria uma tragédia se os países em desenvolvimento continuassem inadimplentes, à custa de investimentos em serviços sociais e resiliência climática”, disse a vice-secretária-geral da ONU.

Os fluxos de financiamento também devem estar alinhados com o desenvolvimento sustentável e a ação climática, com o sistema tributário internacional permitindo uma governança tributária justa, ações de política comercial e de investimento que combatam a desigualdade de vacinas e melhorem o acesso a produtos médicos.

O aumento da transparência fortalecerá a capacidade dos países de gerenciar riscos e usar bem os recursos. As medidas aqui podem incluir o combate aos fluxos financeiros ilícitos por meio de um melhor compartilhamento e uso de informações fiscais, bem como aumentar a transparência dos dados da dívida.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente em inglês pela ONU News

Tags: