Pompeo chega a Londres para falar de China em meio a ‘tiroteio’ com Rússia

Visita de Secretário de Estado dos EUA acontece logo após relatório que acusa Rússia de interferir no Brexit
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, desembarcou em Londres na noite desta segunda (20) para encontro com o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, e com o chanceler Dominic Raab. Na pauta, cooperação bilateral e “assuntos relacionados à República Popular da China”.

A visita ocorre dias após a proibição da empresa chinesa de telecomunicações Huawei de participar da rede de 5G britânica. De acordo com a Secretaria de Estado dos EUA, a decisão seria “importante para proteger [os] interesses de segurança nacional” do aliado.

Os norte-americanos afirmam que a Huawei pode gerar problemas nas redes de 5G de países ocidentais. “[A empresa] cria sistemas vulneráveis à disrupção, manipulação e espionagem, e põe em risco sistemas governamentais, empresariais e pessoais confidenciais”.

Pompeo chega a Londres para falar de China em meio a 'tiroteio' com Rússia
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro em 2018 (Foto: US Department of State)

“Vamos continuar a trabalhar com o Reino Unido na promoção de de um ecossistema de 5G seguro e vibrante, o que é crítico para a prosperidade e segurança transatlântica”, afirma o material da Secretaria de Estado.

Pompeo segue nesta quarta (22) para Copenhague, na Dinamarca, onde se reúne com a premiê Mette Frederiksen.

Londres versus Beijing

No Reino Unido, a visita é entendida como forma dos EUA de pressionarem o histórico aliado a uma relação mais contenciosa com a China.

A meta, de acordo com reportagem desta segunda (20) do “The Guardian“, é pressionar a base conservadora mais apegada ao conflito com os chineses – que é ampla, e inclui de centristas a defensores de primeira hora do Brexit.

No Parlamento, há uma frente de pelo menos 50 representantes que pedem o bloqueio permanente da Huawei em novas instalações de 5G no Reino Unido.

Também há manifestações para que empresas chinesas não possam aportar recursos em outras áreas consideradas estratégicas. Entre elas, a nuclear ou a de construção civil – neste caso, como investidora majoritária.

As relações sino-britânicas foram de uma “nova era de ouro“, nas palavras do ex-premiê David Cameron, a troca de acusações em menos de cinco anos. Em 2015, o governo, também conservador, incentivava aportes da mesma Huawei e exaltava o bom momento das trocas bilaterais.

Essa fase amigável foi lembrada pelo jornal oficialista “China Daily”, em editorial nesta segunda (20). Por via do jornal, Beijing indicou que irá “responder [ao bloqueio à Huawei] de forma ‘resoluta'”. O artigo opinativo também acusa os EUA de pressão sobre Londres.

Ingerência

A visita de Pompeo coincide com a publicação de um relatório, com acusações cotra outra potência, a Rússia, de grave interferência no Brexit. O documento foi divulgado nesta terça (21) pela Comissão Parlamentar de Inteligência e Segurança (ISC) do Reino Unido.

O material afirma que “a influência russa no Reino Unido é o novo normal.” De acordo com o relatório, o país tornou-se um alvo de campanhas intensas de desinformação russas.

A recomendação é a de que Londres “não seja complacente com um Estado hostil, que toma ações deliberadas com o objetivo de influenciar nossos processos democráticos”.

“Sucessivos governos receberam os oligarcas e seu dinheiro de braços abertos, provendo a eles meios de reciclar dinheiro ilícito por meio da ‘lavadora’ de Londres e conexões do mais alto nível com empresas e figuras políticas britânicas”, afirma o relatório.

Do outro lado do Atlântico, em Washington, também há suspeitas de interferência dos russos na eleição de 2016.

Tags: