‘Saia antes que seja tarde’, diz Nobel Svetlana Alexievitch a Lukashenko

Para escritora, que levou prêmio em 2015, país pode acabar em guerra civil caso presidente há 26 anos não deixe cargo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A escritora bielorrussa Svetlana Alexievitch, que levou o prêmio Nobel de literatura em 2015, aconselhou o presidente Alexander Lukashenko a deixar o cargo “antes que seja tarde”.

O conselho da crítica de longa data ao governante foi oferecido em entrevista à “Rádio Free Europe” nesta quarta (12). A alternativa de Lukashenko, diz a escritora, é “o abismo da guerra civil”.

“Ninguém quer sangue. Só você quer poder. E seu desejo por poder exige sangue”, afirmou Alexievitch, primeira agraciada com o Nobel por Belarus.

"Saia antes que seja tarde", diz Nobel Svetlana Alexievitch a Lukashenko
A escritora Svetlana Alexievitch na Flip, feira de literatura em Paraty (RJ), em 2016 (Foto: Wikimedia Commons/Tomaz Silva)

Desde o início dos protestos, após as eleições consideradas fraudadas do último domingo (9), a população tomou as ruas das principais cidades do país. “Ninguém vê aqueles que amam Lukashenko por aí, aqueles que o apoiam da forma como o faziam no passado.”

Protestos pelo país

Lukashenko, no poder desde 1994, alega ter vencido o pleito com 80% dos votos. Cerca de seis mil pessoas foram presas e duas morreram nas manifestações.

A candidata da oposição, Svetlana Tikhanovskaya, fugiu para a Lituânia pedindo que as pessoas deixem as ruas e afirma: “Deus impeça que vocês tenham que fazer a escolha que fiz”. Especula-se que a ex-professora tenha sofrido ameaças, segundo o jornal britânico “The Guardian“.

A alta comissária da ONU (Organização das Nações Unidas) para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, condenou a supressão das manifestações no país e pediu que “as angústias das pessoas sejam ouvidas”.

“Autoridades do Estado devem permitir e facilitar o exercício dos direitos de liberdade de expressão e assembleia pacífica, não reprimi-los. As pessoas precisam ter o direito de falar e expressar desavenças, ainda mais em um contexto eleitoral”, afirmou Bachelet, em comunicado.

Para Alexievitch, cuja carreira começou no jornalismo e a levou a se tornar um grande nome da história oral, há dúvidas a respeito da origem dos soldados da polícia especial, OMON, que têm agido com violência nas ruas.

“Vemos uma fúria satânica, quase desumana, com a qual a OMON age aqui e é difícil acreditar que sejam bielorrussos”, afirmou. “Nas cidades pequenas, onde todos se conhecem, a OMON se recusa a bater nas pessoas. Mas aqui [na capital Minsk] uma coisa surreal está acontecendo.”

Alexievitch é autora de livros como “Vozes de Tchernóbil” (Companhia das Letras, 384 págs., 2016) e “O fim do homem soviético” (Companhia das Letras, 600 págs., 2016), nos quais usa técnicas de história oral para contar a derrocada do regime soviético.

Tags: