Magnatas de Hong Kong buscam lucros perdidos em Beijing

Família Kwok, dona de império imobiliário de Hong Kong, tenta garantir novas fontes de receita na China
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Em Hong Kong, a lei de segurança nacional que entrou em vigor neste ano já tem um efeito colateral: a busca dos muito ricos por novas fontes de lucro na China, segundo o jornal “The Straits Times“, de Singapura.

Entre os bilionários cada vez mais alinhados a Beijing estão os membros da família Kwok, dona do maior império imobiliário de Hong Kong.

Em 12 meses, US$ 8 bilhões da fortuna foram perdidos – a maior queda entre os clãs asiáticos, segundo ranking da Bloomberg.

Magnatas de Hong Kong voltam-se cada vez mais à China continental
Gigantes no mercado imobiliário olham para a China com expectativa de fazer negócios (Foto: Ming-yen Hsu/Flickr)

De acordo com o jornal, agora as ações da Sun Hung Kai, empresa da família, vem sendo negociadas por menos da metade do valor dos seus ativos líquidos.

O patrimônio líquido da família é de US$ 30 bilhões, mas os Kwoks devem optar pelo pragmatismo. Seria a hora de, segundo o jornal, esquecer a tensão entre Hong Kong e China em nome de bons negócios no médio e longo prazo.

Longo prazo

Para o professor Gilles Hillary, da Universidade de Georgetown, a expansão econômica do território deve desacelerar. O motivo seria o gradual fim do modelo de dois sistemas, que permitia maior liberdade à região.

“O valor a longo prazo desses ativos está atrelado à integração de Hong Kong na China”, afirma Hillary.

O império Kwok há anos procura estabelecer relações com a China continental. Um de seus maiores projetos comerciais está em construção em Xangai. A Sun Hung Kai também teria pago US$ 1,9 bilhão por uma propriedade na cidade costeira de Hangzhou.

A tendência deve crescer com a integração de novos magnatas do setor imobiliário de Hong Kong à China. A meta dessas companhias é estabelecer um relacionamento pessoal que garanta sucesso comercial futuro, avalia Jackson Wong, diretor de uma empresa de imóveis na antiga colônia britânica.

Tags: