Portugal tem metade das 24 reservas da biosfera em países de língua portuguesa

Em 2022, Portugal abrigará conferência pedindo mais compromissos da comunidade internacional para lidar com as ameaças ambientais atuais
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Em celebração aos 50 anos do programa “O Homem e a Biosfera”, a Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) promoveu durante todo o ano de 2021 uma série de iniciativas em busca de mais engajamento para proteger uma área de natureza equivalente ao tamanho da China. 

São 714 reservas da biosfera, 161 geoparques e 252 sítios do Patrimônio Natural reconhecidos pela Unesco, que representam 6% da superfície do planeta. Iniciado em 1971, o programa foi pioneiro em traçar ações para preservação da biodiversidade. 

Os países de língua portuguesa reúnem 24 áreas de reservas reconhecidas pela Unesco. Alguns desses sítios são destinos de turismo e todos reúnem uma larga diversidade de fauna e flora. Portugal é o país que mais possui reservas, com 12 áreas protegidas.

Porto Santo, localizado no arquipélago da Madeira, foi o último a ingressar na lista, em 2020. De acordo com a Unesco, 15 tipos de flora encontradas só existem nesta reserva, que também é a casa da foca mais rara do mundo, a foca-monge do Mediterrâneo, e da tartaruga marinha cabeçuda. Sua biodiversidade marinha segue sendo estudada, e o turismo é o setor econômico mais importante da ilha, com sua população quadruplicando durante a alta temporada.  

Em 2022, Portugal deve abrigar a 2ª Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, pedindo mais compromissos da comunidade internacional para lidar com as ameaças atuais. 

Porto Santo, na Ilha da Madeira, em Portugal (Foto: Vitor Oliveira/Flickr)

Brasil 

O Brasil reúne sete reservas, entre elas a Mata Atlântica. Ao lado do Cerrado, esses locais fazem parte da lista da Unesco desde 1993.

Apenas 10% da vegetação original da Mata Atlântica foi mantida. A biosfera corta 17 estados brasileiros, com uma extensão de 3 mil quilômetros. Fica apenas atrás da área Amazônica, importante reserva brasileira. 

A mais recente biosfera a entrar nessa lista, em 2017, é o cinturão verde nos arredores de São Paulo, a maior cidade do país.  

A inclusão tem o objetivo de fortalecer a preservação de inúmeros serviços ambientais do local, que garantem fontes seguras de água, estabilizam o clima e filtram o ar poluído.

África 

Cabo Verde possui duas áreas de reserva: Fogo e Maio. As duas entraram na lista em 2020. Fogo é a mais jovem e única ilha com atividade vulcânica no sul do arquipélago e seu ponto mais alto tem 2.829 metros. Já Maio é uma reserva principalmente marinha e o lar de várias espécies de tartarugas, peixes, aves e répteis.  

Um dos locais mais áridos de Cabo Verde, Maio possui belas praias que têm atraído um número crescente de turistas nos últimos anos. A maior parte da população da ilha, de cerca de 7 mil habitantes, vive da produção de milho, feijão, melão e sal, bem como do turismo. 

Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau contam com uma reserva em seus territórios. Os países africanos aumentam a lista de 86 áreas de preservação no continente. Elas reúnem diversidade em espécies da fauna e da flora. 

Quirimbas, área de proteção moçambicana composta por 11 ilhas, é chamada pela Unesco de “santuário de pássaros”. O local abriga 3 mil espécies florais e uma rica fauna, incluindo elefantes, leões, búfalos e leopardos. 

A Ilha do Príncipe, em São Tomé e Príncipe, e o arquipélago Boloma Bijagós, na Guiné-Bissau, também são reservas reconhecidas pela Unesco. 

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Tags: