Arábia Saudita permite entrada de 10 mil para peregrinação a Meca

Além do teste à Covid-19, os peregrinos deverão se isolar por três dias antes da visita aos locais religiosos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Depois de receber apenas sauditas o hajj, a peregrinação de julho, Riad concordou em receber 10 mil estrangeiros na cidade de Meca a partir de novembro. Os fiéis irão ao país para a celebração da umrah, a visita dos muçulmanos aos locais sagrados do islã, a partir de novembro.

Ao chegarem no país, os peregrinos deverão se isolar por três dias antes da visita aos locais religiosos, afirmou o vice-ministro do Hajj e Umrah, Amr Al-Maddah, à Al-Jazeera. Todos deverão fazer o teste de Covid-19 e poderão permanecer por até 10 dias no país.

O surto de infecções pelo novo coronavírus dificultou a ida dos fiéis estrangeiros para o Hajj no final de julho. Para evitar contágios, o governo saudita implantou uma série de restrições, como tapetes individuais e pedras esterilizadas para as celebrações religiosas.

Muçulmanos oram à Caaba, construção em formato de cubo considerada sagrada, em peregrinação Umrah em agosto de 2007 (Foto: CreativeCommons/Shahzada Hatim)

A viagem à Arábia Saudita para a celebração da umrah e do Hajj é anual e possui ritos semelhantes, ainda que o Hajj seja mais longo e considerado, pela religião islâmica, obrigatório aos muçulmanos saudáveis e com recursos financeiros.

A umrah, por outro lado, pode ser feita a qualquer época do ano. Desde outubro, a Arábia Saudita permitiu, por dia, seis mil peregrinos sauditas. Só em 2019, entraram no país 19 milhões de turistas religiosos, número semelhante aos que visitaram a Holanda no mesmo período.

A peregrinação é uma peça-chave ao giro comercial da região de Meca e Medina. Com mais de 1,3 mil hotéis, os estabelecimentos turísticos permaneceram quase que vazios desde o início da pandemia.

O movimento gera, ao todo, US$ 12 bilhões anuais à Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do mundo. Antes da pandemia, o país esperava receber até 30 milhões de fiéis para a umrah até 2030.

Tags: