ONU: Agência precisa de US$ 1,5 bi para ajudar refugiados palestinos em 2021

Crise financeira de 2020 ampliou a sensação de abandono entre os refugiados palestinos, segundo a UNRWA
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Este conteúdo foi publicado originalmente pelo portal ONU News, da Organização das Nações Unidas

A UNRWA (Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos) precisa de US$ 1,5 bilhão para financiar serviços essenciais, apelos de emergência e projetos prioritários em 2021. 

Em comunicado lançado nesta quinta-feira (11), a agência aponta que a crise financeira impulsionada pela Covid-19 acarretou no aumento da sensação de abandono entre os refugiados palestinos. 

A Unrwa apela aos doadores que forneçam os fundos necessários para permitir que seja cumprido o mandato da agência. O propósito é evitar crises financeiras que colocam serviços humanitários em risco.

ONU: Agência precisa de US$ 1,5 bilhão apoiar refugiados palestinos em 2021
Al-Walaja, vila palestina na Cisjordânia (Foto: Marwan Baghdadi/UNRWA)

A medida também deve unir esforços para desenvolver uma visão sustentável e voltada para o futuro. Cerca de US$ 806 milhões do total atenderão intervenções essenciais, como educação, saúde, assistência e serviços sociais, proteção e infraestrutura.  

A agência viveu o período financeiro mais crítico na sequência do corte de fundos anunciado pela antiga administração dos Estados Unidos em 2018. 

Como parte do novo apelo, cerca de US$ 231 milhões irão à assistência humanitária de emergência “em resposta aos efeitos arrasadores do bloqueio e da ocupação no território palestino”. 

A agência disse precisar ainda de US$ 318 milhões para dar resposta às dificuldades causadas aos refugiados palestinos pelo conflito na Síria. Os valores também irão para a Jordânia e no Líbano

A UNRWA defende o atendimento ao desenvolvimento humano, às necessidades humanitárias e de proteção dos refugiados palestinos até que haja uma solução para sua situação. “É um investimento à estabilidade do Oriente Médio”, diz a nota.

Tags: