Oriente Médio

Chefe da ONU condena atentado contra premiê do Iraque e fala em ‘terrorismo’

Drone carregado de explosivos atingiu a residência de Mustafa al-Kadhimi na noite de domingo, mas não chegou a atingir o premiê iraquiano

A Missão de Assistência da ONU para o Iraque (UNAMI) condenou “nos termos mais veementes” a tentativa de assassinato do primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi. A casa do premiê, localizada na fortemente protegida Zona Verde de Bagdá, foi alvo de um ataque de drones durante a noite de domingo (7).

De acordo com relatos da imprensa, a explosão causou danos à residência e vários guardas de segurança do primeiro-ministro ficaram feridos no ataque.

Al-Kadhimi foi empossado em maio do ano passado e residia na Zona Verde, que abriga escritórios do governo e embaixadas estrangeiras. Nenhum grupo reivindicou até agora a autoria do ataque, e os restos do drone carregado de explosivos foram recuperados, como parte de uma investigação em andamento.

Em nota, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, condenou veementemente o atentado e apelou à responsabilização dos autores . “Terrorismo, violência e atos ilícitos não devem prejudicar a estabilidade do Iraque e inviabilizar seu processo democrático”, afirmou.

O ataque foi condenado pelo Governo do Irã e pelos Estados Unidos. Já a UNAMI manifestou “seu alívio pelo fato de o Primeiro-Ministro não ter ficado ferido no ataque do drone”.

Mustafa al-Kadhimi, primeiro-ministro do Iraque (Foto: Wikimedia Commons)

Protestos populares

Na sexta-feira (5), os protestos fora da Zona Verde, contra os resultados das eleições parlamentares do mês passado, se tornaram violentos, com os manifestantes entrando em confronto com as forças de segurança, supostamente acusando a elite política do Iraque de fraudar a votação.

Um manifestante foi morto e dezenas de seguranças ficaram feridos. O primeiro-ministro ordenou uma investigação sobre o que levou à violência.

O comparecimento às eleições foi baixo, com apenas 41% comparecendo para votar, e os partidários de partidos pró-iranianos e milícias perderam terreno, de acordo com os resultados preliminares. Os manifestantes estão supostamente pedindo ao governo e à comissão eleitoral independente do Iraque que façam uma recontagem.

A Missão da ONU juntou-se ao primeiro-ministro, pedindo “calma e moderação” nos próximos dias após a tentativa de assassinato. “Além disso, a UNAMI encoraja fortemente todas as partes a assumirem a responsabilidade pela redução da escalada e se engajarem no diálogo para aliviar as tensões políticas, defendendo o interesse nacional do Iraque”, diz um comunicado da missão.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente em inglês pela ONU News