China promete punição a empresas que obedecerem sanções dos EUA

Beijing tenta revidar punições impostas pelos EUA e desencorajar cumprimento por parte de companhias locais
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A China respondeu as recentes sanções dos EUA com uma nova lei. Desde sábado (9), o país proíbe o cumprimento de leis estrangeiras que barram transações com instituições e indivíduos chineses.

A medida se aplica a todas as circunstâncias em que há “proibição ou restrição indevida” de organização ou cidadãos chinês em outros países, decretou o Ministério do Comércio.

Os indivíduos ou instituições chinesas deverão se reportar ao órgão até 30 dias caso seus negócios sofram com leis de conformidade estrangeiras. As informações são do jornal honconguês “South China Morning Post”.

A ordem é uma resposta às recentes ações comerciais dos EUA, que divulgou uma lista com entidades “não confiáveis” chinesas. O movimento seria forma dificultar o cumprimento das normas necessárias para exportar para os norte-americanos.

China promete punição a empresas que obedecerem sanções dos EUA
O vice-premiê da China, Liu He, e o presidente dos EUA, Donald Trump, selam acordo comercial em Washington, 15 de janeiro de 2020 (Foto: The White House/Shealah Craighead)

Apesar de ter cancelado a deslistagem de empresas chinesas no dia 5, a Bolsa de Valores de Nova York voltou a retirar as ações negociadas nos EUA nesta segunda (11). As principais afetadas são a China Telecom, China Mobile e China Unicom.

Em novembro, o presidente Donald Trump decretou a proibição de investimentos norte-americanos em empresas de propriedade ou controladas por militares chineses.

Após embates desde o início do governo Trump, a relação entre China e EUA azedou em 2020 quando Trump sugeriu, sem evidências, que o país liderado por Xi Jinping teria criado o novo coronavírus em laboratório para prejudicar os países ocidentais, em março de 2020.

As afirmações aceleraram a disputa comercial e tecnológica entre as potências. No dia 7, Washington ameaçou novas sanções a Hong Kong e China continental após a prisão de mais de 50 políticos pró-democracia.

Tags: