Confronto em Burkina Faso termina com a morte de um militar e 15 jihadistas

Ação não foi relacionada a nenhum grupo extremista, embora o país conviva desde 2015 com a violência de facções ligadas à Al-Qaeda e ao EI
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Um confronto armado entre as forças de segurança de Burkina Faso e um grupo de extremistas, ocorrido no sábado (6), terminou com a morte de um soldado do exército nacional e de 15 jihadistas. A informação foi divulgada na segunda-feira (8) pelo exército do país da África Ocidental e reproduzida pelo site The Defense Post.

“Um soldado do destacamento infelizmente caiu durante o conflito”, disse um comunicado das forças armadas, informando ainda que outros três militares ficaram feridos. A ação ocorreu na província de Komadjari, no leste do país.

No mesmo informativo, o exército anunciou “a neutralização de cerca de 15 terroristas e a recuperação de suas armas. Grande quantidade de munições e motos também foram apreendidas”.

Soldados de Burkina Faso em ação contra extremistas realizada em fevereiro de 2020 (Foto: U.S. Army/Divulgação)

Por que isso importa?

Burkina Faso convive desde 2015 com a violência de grupos ligados à Al-Qaeda e ao Estado Islâmico (EI), insurgência que levou a um conflito com as forças de segurança e desencadeou uma crise humanitária. Grupos armados lançam ataques ao exército e a civis, desafiando também a presença de milhares de tropas francesas e de forças internacionais.

Os ataques costumavam se concentrar no norte e no leste do país, mas agora estão se alastrando por todo o país. Pelo menos três ataques com explosivos ocorreram no oeste e no sudoeste de Burkina Faso no final de agosto, incluindo o primeiro com uma vítima fatal na região de Cascades.

pior ataque jihadista já registrado em Burkina Faso ocorreu em 5 de junho, quando insurgentes incendiaram casas e atiraram em civis ao invadirem a vila de Solhan, no norte. Na ocasião, 160 pessoas morreram.

Desde que o conflito teve início, os ataques de ambas organizações extremistas já forçaram mais de 1,4 milhão de pessoas a fugirem de suas casas e levaram à morte de cerca de duas mil pessoas. Estima-se que 4,8 milhões de pessoas sofram de insegurança alimentar, com 2,9 milhões em situação de insegurança alimentar aguda.

Os grupos humanitários no país calculam que US$ 607 milhões seriam necessários para controlar a situação até o final de 2021. Apenas 24% desse valor já foi arrecadado, de acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas).

No Brasil

Casos mostram que o Brasil é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no país: Al-Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino.

Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos.

Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: