Contadores de histórias levam informação a vilas remotas no Chade

Trovadores vão a vilas remotas para conscientizar a população em relação ao novo coronavírus
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os tradicionais contadores de história do Chade, país no centro-oeste africano, estão levando informações sobre como se prevenir do novo coronavírus a comunidades remotas do país. Os esforços são paralelos às tentativas do governo de combater a pandemia no território.

Cerca de 80 trovadores — ou cantadores e poetas itinerantes — estão passando por vilas remotas de oito províncias do Chade para conscientizar a população do risco da doença.

No país extenso e pouco povoado, cerca de três quartos da população vive em áreas rurais. O acesso é limitado ou inexistente a celulares, rádio ou internet.

Diante desse cenário, o papel dos trovadores se torna ainda mais importante, afirma a coordenadora da ONU no país, Violet Kakyomya.

“São as pessoas mais confiáveis para entregar a informação por boca a boca e evitar mal-entendidos, que podem rapidamente se traduzir em rumores, desinformação e suspeitas”, afirmou.

Normalmente, o rádio é usado no Chade para fornecer informações de saúde e promover mudanças de comportamento entre a população. Mas mesmo o aparelho não chega a todas as partes do território. Muitas famílias não têm recursos para comprar um rádio ou baterias para carregá-los.

Governo do Chade tenta conscientizar população com cartazes e contadores de histórias (Foto: Sonia Assoue/WFP)

Combatendo a desinformação

Além da visita dos trovadores, as oito províncias devem receber cerca de mil trabalhadores da ONU. Esses enviados vão ensinar comportamentos de proteção, incluindo distanciamento social e higiene adequada das mãos.

Esses trabalhadores serão escolhidos pela própria comunidade e serão supervisionados pelo Ministério da Saúde do país.

“Muitas pessoas dizem que o vírus não sobrevive ao calor do Chade, então eu digo para eles que não é verdade e que já existem casos confirmados no país”, afirmou a assistente social Amina Gomnalta.

O Chade registrou o primeiro caso de coronavírus em meados de março. Até esta quarta (13) tinha 357 confirmações da doença e 40 mortes, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Mais de 200 mil pôsteres sobre a doença foram espalhados em prédios públicos, mercados, escolhas e centros de saúde nas 16 províncias do país. Os cartazes trazem mensagens encorajando as pessoas para que lavem as mãos regularmente, se cumprimentem à distância e não toquem o rosto com as mãos.

Onde fica o Chade (Foto: Reprodução/Google Maps)

Tags: