EUA e Sudão dão primeiro passo para indenizar vítimas do terrorismo

Acordo é passo para remoção sudanesa da lista de financiadores do terrorismo, abrindo país ao exterior
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os Estados Unidos e o Sudão deram o primeiro passo, na terça (25), para indenizar as vítimas do terrorismo, informou a revista norte-americana “Foreign Policy”. O secretário de Estados dos EUA, Mike Pompeo, se encontrou com o primeiro-ministro sudanês, Abdalla Hamdok, na capital, Cartum.

O acordo, ainda não finalizado, prevê a remoção do país da lista de patrocinadores do terrorismo dos EUA. O Sudão figura na relação desde 1993, junto da Líbia, da Coréia do Norte e de outros países.

Se assinado, o acordo determina que o país africano deposite US$ 335 milhões para as famílias das vítimas de ataques terroristas patrocinados antigo regime autoritário de Omar al-Bashir nos últimos 20 anos.

EUA e Sudão dão primeiro passo para indenizar vítimas do terrorismo
Abdalla Hamdok em um congresso mundial sobre a água, em maio de 2017, em Addis Abeba, na Etiópia (Foto: WikiCommons/International Hydropower Association)

Do total, o país deve pagar até US$ 10 milhões para cada funcionário do governo americano morto ou ferido durante os atentados às embaixadas dos EUA no Quênia e na Tanzânia, em 1998. As famílias dos funcionários estrangeiros mortos e feridos deverão receber até US$ 800 mil.

O acordo também cobre as vítimas do ataque terrorista contra o submarino USS Cole, atacado no Iêmen em 2000.

Vitória política

Na reunião, Pompeo pressionou o Sudão a normalizar as relações com Israel. O entendimento seria chave para acelerar o processo com os EUA, afirmou o Secretário de Estado.

Com o aval, o Sudão poderá restaurar a sua imagem perante a comunidade internacional e passar a receber investimentos externos. O acordo também dá acesso a instituições como o FMI (Fundo Monetário Internacional) e o Banco Mundial.

A paz entre EUA e Sudão também representa uma vitória política a Hamdok, que tenta equilibrar-se em um governo ainda frágil. A pressão sobre o premiê, economista e ex-funcionário de organizações internacionais, é alta desde a queda de al-Bashir, em 2019.

Tags: