Ex-presidente de Serra Leoa tem US$ 200 mi confiscados após acusação de corrupção

Entre as denúncias há enriquecimento ilícito e supostos desvios em obras de mineração e construção
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O ex-presidente de Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, deverá depôr ao órgão anticorrupção do país, informou a Reuters na quarta (30).

O comitê, liderado pelo atual chefe de Estado, Julius Maada Bio, quer tratar de supostas irregularidades deixados em contratos de mineração, construções e aquisições enquanto Koroma estava no poder.

O governo de Serra Leoa ainda ordenou o confisco do patrimônio ativo de US$ 200 milhões de Koroma.

Na terça (29), o ex-presidente e outros 111 funcionários foram impedidos de sair de país depois que um juiz alegou o enriquecimento ilícito de Koroma durante o seu mandato, de 2007 a 2018.

Ex-presidente de Serra Leoa deverá depôr a comitê anticorrupção
O ex-presidente de Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, em palestra ao Horasis Global Meeting, na cidade portuguesa de Cascais em abril de 2019 (Foto: Horasis /Richter Frank-Jurgen)

Com poder de acusação, o órgão anticorrupção deve interrogar Koroma no dia 5 de outubro, informou o comissário Francis Ben Kaifala à Reuters.

No passado, o ex-presidente negou qualquer delito e afirmou que as alegações são parte de uma campanha de difamação de Maada Bio.

Segundo o comitê, o ex-representante do Executivo explorou o surto do Ebola do país de cerca de seis milhões de habitantes para seu ganho pessoal.

O país da África Ocidental ainda se recupera de uma década de guerra civil, encerrada em 2002. Com a queda dos preços globais das commodities a partir de 2015, o PIB (Produto Interno Bruto) do país despencou 20% desde então.

Tags: