Onda de violência desencadeia 9 mil prisões desde junho na Etiópia

Prisões arbitrárias eram 'marca registrada' de governos anteriores; onda de violência se estende desde o final de junho
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O tiroteio que matou o cantor Haacaaluu Hundeessaa, em 29 de junho, ainda reverbera na Etiópia. Desde então, ondas de violência e protestos já prenderam nove mil pessoas e cerca de 200 foram mortas em Oromia, região da capital, Adis Abeba.

Com intensa violência policial, cresce o receio de que o governo do primeiro-ministro Abiy Ahmed, eleito em 2018, deixe de lado princípios democráticos prometidos em campanha.

No país, prisões arbitrárias se tornaram comuns. “O governo prende pessoas e depois procura evidências”, disse a ativista da Anistia Internacional, Fisseha Tekle.

Onda de violência desencadeia 9 mil prisões desde junho na Etiópia
Protestos na região de Oromia, na Etiópia, em 9 de julho 2020 (Foto: Reprodução/LAMMII)

Pelo menos 1,2 mil funcionários do governo foram presos pelas autoridades desde que os ataques começaram, reportou o site “The East African“, na quinta (13).

A versão oficial é que eles não teriam “cumprido suas responsabilidades” durante os protestos. Alguns funcionários foram acusados de disseminar violência e emprestar suas armas para agressores.

À Reuters, a Comissão Etíope de Direitos Humanos denunciou a prisão do ativista, Dejene Tafa, arrastado de sua cama durante a noite por policiais. Professor universitário, Dejene é secretário do Partido Oromo no Congresso.

Cantor Haacaaluu Hundessa (Foto: Oromia Media Network/Reprodução)

A porta-voz do primeiro-ministro etíope, Billene Seyoum, afirmou que as ações “são um reflexo do compromisso com a lei”, pontuou.

Em 2019, Ahmed chegou a receber o Nobel da Paz após a libertação de presos políticos e promessas de preservar a liberdade individual. Também espera-se que eleições livres sejam realizadas no próximo ano – um grande marco para a segunda nação mais populosa da África.

Tags: