VOA: Conselho de Segurança da ONU vai debater tensão política na Guiné-Bissau

Relatório manifesta preocupação pela situação de direitos humanos e persistente tensão entre políticos guineenses
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Material publicado originalmente no portal VOA (Voice of America) Africa

O Conselho de Segurança das Nações Unidas se reuniu na segunda-feira (11) para analisar a tensão política na Guiné-Bissau. Os conselheiros terão como base um relatório da Unowas (Missão das Nações Unidas para a África Ocidental e Sahel).

No documento, a Unowas aponta que a insegurança e as violações dos direitos humanos contra adversários políticos consistem em detenções arbitrárias e ilegais e intimidação.

“A liberdade de imprensa no país está igualmente limitada. Ativistas políticos das redes sociais são alvo de agentes armados”, diz o relatório.

O estudo registra ainda perseguições e detenções arbitrárias de políticos guineenses, principalmente militantes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

VOA: Conselho de Segurança vai debater tensão política na Guiné-Bissau
Reunião do Conselho de Segurança da ONU no Palácio das Nações, em Nova York, em abril de 2019 (Foto: UN Photo/IAEA/Eskinder Debebe)

“A desconfiança deteriora as divisões entre as personalidades políticas do país”, diz o estudo. “Exigimos ações de todas as partes nacionais, com o apoio da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO). Vamos garantir a estabilidade política e o funcionamento eficaz das instituições”.

O relatório insta o presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, seu governo e membros do Parlamento a estabelecer diálogo para uma revisão constitucional. Outro relatório também enviado ao Conselho de Segurança, mantém inalterado o regime de sanções a militares.

Em recomendação, o secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), António Guterres, já levantou a a possibilidade de impôr sanções a instituições e indivíduos que perturbem a ordem constitucional na Guiné-Bissau.

Tags: