Américas

ONU: Relatório traz soluções para indígenas e refugiados venezuelanos no Brasil

Documento lista demandas dos refugiados indígenas venezuelanos no Brasil; combate à xenofobia é central

Este conteúdo foi publicado originalmente pela agência ONU News, da Organização das Nações Unidas

A OIM (Organização Internacional para Migrações) construiu um relatório a fim de contribuir com a estruturação de soluções duradouras para indígenas venezuelanos no Brasil, nesta quarta-feira (3).

O estudo, realizado nas cidades de Boa Vista, Pacaraima e Manaus, lista as necessidades e os anseios dessa população, muitas vezes segregada após o processo de migração.

Em vídeo, José Lizardo, líder indígena Warao, detalha a expectativa a partir do estudo. Seu depoimento integra o relatório. Naturais do nordeste da Venezuela, indígenas da etnia Warao enfrentam uma série de dificuldades ao chegar no Brasil.

ONU: Relatório traz soluções a indígenas e refugiados venezuelanos no Brasil
Indígenas da etnia Warao em alojamentos para deslocados de Manaus, Brasil (Foto: Acnur/Felipe Irnaldo)

A falta de água potável, alimentação, atendimento à saúde e medicamentos se reúnem à xenofobia e violência das comunidades locais. A Acnur (Agência da ONU para Refugiados) estima que cerca de 4 mil Warao entraram no Brasil desde 2014.

“Os Warao estão buscando uma forma melhor de viver”, disse Lizardo. “Com o relatório, poderemos buscar estratégias para os indígenas venezuelanos. Assim como os brasileiros, esperamos o progresso do Brasil”.

Os Warao deixam a Venezuela por várias razões, incluindo insegurança, violência, falta de comida, remédios e serviços essenciais e perda de renda própria devido à situação econômica do país.