Por que a resposta da China aos navios dos EUA no Estreito de Taiwan surpreendeu analistas

Artigo relata e analisa a reação chinesa amena à presença de dois cruzadores no Estreito de Taiwan, sem as ameaças habituais

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site da rede CNN

Por Brad Lennon

Depois que a presidente da Câmara dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, visitou Taiwan no início de agosto, os militares chineses realizaram alguns de seus maiores exercícios militares de todos os tempos na ilha.

Aviões de guerra chineses invadiram o Estreito de Taiwan e o Exército de Libertação Popular (ELP) até disparou mísseis sobre Taiwan, a ilha democraticamente governada que o Partido Comunista Chinês (PCC) reivindica como seu território soberano, apesar de nunca tê-la controlado.

Esses exercícios militares chineses definiram o que alguns analistas e funcionários temiam que pudesse ser um “novo normal” através do estreito : uma presença mais permanente do ELP cada vez mais próxima de Taiwan.

Autoridades dos EUA, enquanto isso, prometeram que Washington manteria o curso, e as táticas de intimidação chinesas seriam desafiadas.

No domingo, a Marinha dos EUA enviou dois cruzadores de mísseis guiados pelo Estreito, que a China agora reivindica como suas “águas internas”. Os EUA e outros mantêm o estreito como águas internacionais sob a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

Navios dos EUA no Mar da China Meridional (Foto: Marinha dos EUA/Reprodução)

Foi a primeira vez em pelo menos quatro anos que a Marinha dos EUA enviou dois cruzadores pelo estreito, disse Collin Koh, pesquisador da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam, em Cingapura, que mantém um banco de dados sobre os trânsitos.

“Ter dois em vez do habitual um navio para fazer esta missão é certamente um sinal ‘maior’ de protesto não apenas contra os recentes exercícios militares de Beijing em torno de Taiwan após a visita de Pelosi, mas também em resposta à tentativa de Beijing de subverter o status legal da hidrovia e a liberdade de longa data dos direitos de navegação pela área”, disse Koh.

Que os navios de guerra dos EUA tenham feito o trânsito no domingo (28) não foi surpresa. Eles fizeram dezenas de viagens desse tipo nos últimos anos, e autoridades americanas disseram que os trânsitos continuariam.

O que surpreendeu os analistas foi a resposta silenciosa de Beijing.

O Comando do Teatro Oriental dos militares chineses disse que monitorou os dois navios, manteve um alerta máximo e estava “pronto para frustrar qualquer provocação”.

Até o tabloide estatal Global Times, conhecido por seus editoriais muitas vezes “jingoístas” e fortemente nacionalistas, disse que a presença dos dois cruzadores não trouxe “nenhuma ameaça real à segurança da China”.

Trânsitos passados ​​provocaram uma resposta mais forte. Depois que o destróier USS Benfold passou pelo estreito em julho, o coronel Shi Yi, porta-voz do Comando de Teatro Oriental do ELP, descreveu os EUA como o “destruidor da paz e da estabilidade no Estreito de Taiwan”.

No início deste mês, o embaixador chinês em Washington, Qin Gang, pediu aos EUA que interrompessem os trânsitos navais, dizendo que intensificam as tensões e encorajam as “forças separatistas da independência de Taiwan”.

“Se houver qualquer movimento que prejudique a integridade territorial e a soberania da China, a China responderá”, disse Qin a repórteres em Washington em resposta a uma pergunta sobre possíveis trânsitos futuros.

Koh, o analista, observou as declarações relativamente mansas de Beijing no domingo.

“Por que os chineses não foram além disso, dada sua forte oposição anterior à intenção declarada de Washington de continuar tais trânsitos?” disse ele, oferecendo três fatores possíveis.

Em primeiro lugar, Beijing pode estar cautelosa com o “golpe internacional”, já que qualquer tentativa de restringir a navegação da Marinha dos EUA pelo estreito pode ser vista como uma ameaça aos direitos de navios de outras nações de passar pela hidrovia.

Em segundo lugar, após a visita de Pelosi a Taiwan, Beijing suspendeu os principais canais de comunicação militar com Washington, aumentando o risco de mal-entendidos durante qualquer interação Marinha do ELP-Marinha dos EUA.

Em terceiro lugar, há outras áreas em que Washington e Beijing cooperam, e a China pode não querer forçar essas áreas, disse Koh.

“Não faz sentido provocar tensões ainda maiores que podem potencialmente se transformar em um confronto”, disse ele.

Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro de Inteligência Conjunta do Comando do Pacífico dos EUA no Havaí, sugere uma quarta possibilidade.

“Acho que (o líder chinês Xi Jinping) vai evitar qualquer ação que possa fortalecer as chances dos republicanos e outros falcões da China nas próximas eleições. Ele não quer uma Câmara e um Senado que possam aprovar uma legislação que apoie mais fortemente Taiwan ou limite o investimento e a influência chinesa nos EUA“, disse Schuster.

Enquanto isso, disse ele, o uso de dois cruzadores no último trânsito pelo Estreito pode não ser visto tanto como uma declaração, mas como um planejamento militar razoável.

“Dadas as ameaças da China e os recentes disparos de mísseis em águas internacionais… parece prudente ter dois navios de guerra transitando juntos nessas águas”, disse Schuster.

E espere que a Marinha dos EUA continue com os negócios como de costume com trânsitos regulares no Estreito, disse ele.

“Sob a lei internacional, são águas internacionais, e, portanto, não há disputa oficial sobre seu status”, disse ele. “O trânsito da Marinha dos EUA faz essa declaração de forma silenciosa e eficaz.”

Leia mais artigos em A Referência

Tags: