Ásia e Pacífico

Premiê paquistanês pede mediação da ONU para novo impasse na Caxemira

Paquistão considera ilegal a emissão de certificado de residência para 25 mil indianos na região, sob litígio há décadas

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, entrou em contato com a ONU e outros líderes mundiais para discutir os certificados de residência para 25 mil indianos na região da Caxemira. A informação é do jornal paquistanês The News International.

Ainda segundo o premiê, as tentativas de anexação da Caxemira pela Índia e a emissão dos certificados de residência são ilegais. Haveria, argumenta Khan, violação inclusive o 4º artigo da Convenção de Genebra.

O artigo prevê proteção às pessoas que vivem em uma área sob litígio, quando há dominação ou ocupação da outra parte. Seria o caso de paquistaneses que vivam em regiões demandadas por Nova Délhi mas ainda em disputa.

“A Índia deve ser impedida de seguir esse caminho inaceitável que usurpa ainda mais os direitos legais e internacionais garantidos ao povo da Caxemira”, afirmou Khan em um tweet. “E põe seriamente em risco a segurança e a paz no sul da Ásia”.

Premiê paquistanês vai à ONU discutir certificado de residência indiano na Caxemira
Primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan (Foto: UN Photo)

Na semana passada, o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão já havia rejeitado a emissão dos certificado aos 25 mil indianos na região de Jammu e Caxemira.

A Caxemira é alvo de frequentes disputas entre Índia e Paquistão há décadas, gerando tensões entre os dois Estados. Ambos os países reivindicam partes do território da Caxemira. O impasse remonta à divisão do antigo território indiano na Índia atual, de maioria hinduísta, e Paquistão, onde predomina o islamismo.