Auxílio contra coronavírus mobilizou US$ 240 bi em recursos em 2020

Recursos de instituições multilaterais procuram mitigar maior incerteza econômica desde 1990, segundo índice
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A pandemia do novo coronavírus foi o ponto mais alto da incerteza dos agentes econômicos em todo o mundo desde 1990, segundo o Índice de Incerteza Global. O dado é calculado com base em informações da The Economist Intelligence Unit, que contempla 143 países.

No primeiro trimestre de 2020, atingiu 55,6 mil pontos – ante 38 mil do pico anterior, no último trimestre de 2012. Naquele ano, o mundo lidava com os efeitos da crise de dívida soberana europeia, que derrubou as economias de Espanha, Grécia, Portugal e Irlanda.

No ano da pandemia, as instituições financeiras internacionais agiram para evitar um efeito dominó na economia. Foram cerca de US$ 240 bilhões em auxílios liberados ao longo de 2020, segundo levantamento do think tank CSIS (Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais, em inglês).

Notas de euro (Foto: Libreshot)

Entre essas instituições estão FMI (Fundo Monetário Internacional e, Banco Mundial, além de entidades regionais como o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), BIE (Banco Europeu de Investimento), AsDB (Banco Asiático de Desenvolvimento) e AIIB (Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura).

Mês a mês

O auge da liberação dos recursos foi em maio, com cerca de US$ 74,5 bilhões, quando a escalada da pandemia gerava incerteza inédita nos mercados e nos espaços fiscais dos países. Nos dois meses seguintes, foram concedidos cerca de US$ 30 bilhões cada.

No fim do ano marcado pelo coronavírus, a incerteza estava na faixa de 22 mil pontos, segundo o índice calculado por economistas do FMI e da Universidade de Stanford, nos EUA. Coincide com o mês onde houve menor liberação de recursos: novembro, com US$ 5,1 bilhões.

As Américas receberam a maior parte dos recursos ao longo do ano, ou US$ 92,3 bilhões. Na sequência vem a África, com US$ 48,6 bilhões, Ásia/Oceania (US$ 43,3 bi) e Eurásia (US$ 44,8 bi). Ao Oriente Médio foram enviados US$ 6,2 bilhões.

De todo o montante liberado em 2020, apenas US$ 11,6 bilhões foram destinados a países muito pobres – o valor é de cerca de 5% do total. Já países de renda média alta receberam uma fatia muito mais generosa dos recursos: US$ 84,1 bilhões.

Parte do valor foi destinado à compra de vacinas. São cerca de US$ 23 bilhões empenhados na aquisição dos imunizantes, em iniciativas sobretudo de bancos regionais.

Mas veio do Banco Mundial foi o primeiro e mais significativo aporte: US$ 12 bilhões, para que os países receptores comprem e distribuam as doses.

Entre os órgãos regionais, o maior aporte veio do AsDB (Banco Asiático de Desenvolvimento), com US$ 9 bilhões para a compra de imunizantes que serão distribuídos nos países do continente. Na sequência vem o BID, que empregará US$ 1 bilhão para repasses das vacinas aos países da América Latina e do Caribe.

Cerca de 10% dos valores destinados ao combate do vírus vieram de instituições financeiras criadas na última década. O AIIB, que investe na infraestrutura asiática, foi criado em 2015 e liberou US$ 6,8 bilhões. Já o Novo Banco de Desenvolvimento, conhecido como Banco dos BRICS, de 2014, destinou outros US$ 6 bilhões.

Tags: