Escassez de água e saúde precária afetam combate contra Covid-19 na Síria

Falta de energia e aumento de preço também agravam a crise no país, afetado por guerra que já dura nove anos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Apenas um dos 16 hospitais do nordeste da Síria está em pleno funcionamento. Lá, mais da metade dos centros de saúde pública está fora de serviço, o que torna ainda mais difícil a luta contra o novo coronavírus, de acordo com o CICV (Comitê Internacional da Cruz Vermelha).

A escassez de água na região também limita possibilidade das pessoas de tomarem precauções básicas de higiene. Perto de Hassake, por exemplo, cerca de 800 mil pessoas foram afetadas pela interrupção no fornecimento da única fonte de água potável da região.

Em alguns lugares do país, geradores são as únicas fontes de energia. Entidades que atuam na região temem que a pandemia do coronavírus agrave ainda mais a crise no país, devastado por uma guerra que já dura nove anos.

“Para milhões de pessoas no nordeste da Síria, as consequências da guerra, escassez de água, alimentos e remédio, falta de eletricidade, retração econômica levando a perda de empregos e as altas de preços são tão preocupantes quanto o coronavírus“, afirmou o chefe do escritório do CICV em Hassake, Karim Mahmoud.

Escassez de água e saúde precária afetam combate contra Covid-19 na Síria
Vista da cidade de Hassake, na Síria (Foto: Haitham Alfalah/Wikimedia Commons)

Número de casos

A Síria registrou nesta segunda (25) o maior aumento no número de casos do novo coronavírus em um dia. Foram 20 novas confirmações de infectados, de acordo com a Reuters.

Segundo o governo, o aumento veio após o registro de retorno de sírios do exterior. Até esta segunda, a Síria tinha 86 casos confirmados da doença e 4 mortes, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

A Síria manteve toque de recolher, mas já começa a retomar parte das atividades econômicas que não foram solapadas pela guerra.

Médicos e grupos de ajuda se preocupam com a possibilidade da infraestrutura do sistema de saúde, já dilapidada por nove anos de conflito, torne o surto ainda mais grave.

Tags: