Coronavírus

Mais de 2,7 milhões em seis países já receberam vacina contra a Covid-19

EUA lidera a lista, com 1,12 milhões de imunizados; em todo o mundo, mais de 8,1 bilhões de doses estão reservadas

Um levantamento da Bloomberg apontou que 2,7 milhões de pessoas já foram imunizadas contra a Covid-19 em seis países do mundo até a última terça (23). Este é o início da maior campanha de vacinação já realizada na História.

Países da América do Norte, Europa e Oriente Médio já aprovaram a vacinação com a Pfizer-BioNTech. Com testes em milhares de voluntários, as doses reduziram as infecções pelo vírus em até 95% dos casos testados.

Até o momento, os EUA assumem a liderança com mais de 1,12 milhão de vacinados. O país mais atingido pela Covid-19, com 18,4 milhões de casos, começou a aplicação das doses no dia 14.

Mais de 2,7 milhões em seis países já receberam vacina contra a Covid-19
Voluntária de equipe de saúde do Sudão do Sul manuseia vacina para população local em maio de 2017 (Foto: Unicef/Phil Hatcher-Moore)

Em seguida está a China, com 650 mil, e o Reino Unido, com 500 mil imunizados. Assim como Beijing, a Rússia autorizou sua própria vacina em agosto. Desde então, o país imunizou 440 mil cidadãos, em quarto lugar na lista.

Israel e Canadá também iniciaram a imunização. Cerca de 30 mil cidadãos já receberam as doses da vacina em cada país.

Vacinas em desenvolvimento

Das nove vacinas em desenvolvimento no mundo, seis já estão disponíveis para uso público em quantias limitadas. As doses da Pfizer-BioNTech e Moderna, já disponíveis ao público, estão aptas à distribuição conforme os protocolos clínicos.

Só a Pfizer espera produzir 1,3 bilhão de doses em 2021. A indústria já gerou 50 milhões de doses em 2020, enquanto a Moderna produziu 100 milhões para distribuição global. Diversos países já reservaram 8,1 bilhões de doses.

Até esta quinta (24), o coronavírus foi a causa da morte de 1,7 milhão de pessoas em todo o mundo, conforme levantamento em tempo real da Universidade Johns Hopkins. São mais de 78 milhões de infectados em todo o mundo – pouco mais de 1% da população global.