Sobrecarga na saúde ameaça 116 milhões de recém-nascidos na pandemia

Unicef estima que cerca de 116 milhões de bebês nasceram desde os primeiros registros do novo coronavírus
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Cerca de 116 milhões de bebês nasceram desde o início da pandemia do novo coronavírus, em um momento de sobrecarga na saúde e impacto no auxílio a grávidas e recém-nascidos. A estimativa foi divulgada nesta quinta (7) pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Outros riscos causados pela crise mundial na saúde são a escassez de suprimentos e equipamentos médicos. Também há falta de profissionais capacitados para os partos, incluindo parteiras.

“[Milhares de mães] têm medo de ir aos centros de saúde e serem infectadas ou não terem cuidados de emergência, devido aos serviços de saúde sobrecarregados e às medidas de isolamento“, afirmou a diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore.

O alerta do fundo e o pedido para que os governos garantam serviços de saúde a essas mulheres e crianças acontece no mês de maio, quando se comemora o dia das mães em 128 países.

“Este dia das mães é particularmente comovente, pois muitas famílias foram separadas durante a pandemia do novo coronavírus. É difícil imaginar o quanto a pandemia reformulou a maternidade”, afirma Fore.

Sobrecarga na saúde ameaça 116 milhões de recém-nascidos na pandemia
Mãe e filho recebem atendimento em uma clínica do campo de Mutua, em Moçambique (Foto: Eskinder Debebe/UN Photo)

Taxas de mortalidade

Desde quando a pandemia foi declarada pela OMS, há nove meses, espera-se que os países com o maior número de recém-nascidos sejam Índia, com 20,1 milhões, seguido pela China, com 13,5 milhões, e Nigéria, com 6,4 milhões.

O Paquistão, onde se esperam 5 milhões de recém-nascidos, e a Indonésia, com 4 milhões, também entraram na lista do Unicef. Mesmo antes da pandemia, a maioria desses países apresentava altas taxas de mortalidade neonatal.

Até os países mais ricos estão sendo seriamente impactados neste quesito. Entre 11 de março e 16 de dezembro deste ano, os Estados Unidos devem registrar 3,3 milhões de nascimentos, o que coloca o país no sexto lugar do ranking dos maiores números de partos.

Preocupadas com os riscos de infecção, muitas mães em Nova York estão procurando lugares alternativos para o parto.

Cuidados

Mesmo sem comprovação de que o coronavírus passe da mãe para o feto, o Unicef recomenda que as mulheres grávidas se protejam durante a pandemia. A ideia é monitorar de perto os sintomas que caracterizam a doença.

O fundo aconselha que elas adotem o isolamento social e usem serviços médicos online para buscar atendimento. Ainda é importante que as mães consultem seus médicos para saber o lugar mais seguro para dar à luz.

O organismo da ONU afirma que as mulheres lactantes devem continuar amamentando seus filhos mesmo contaminadas com o coronavírus. Isso porque não há indícios de que o vírus infecte o leite materno.

As mães devem usar máscara ao amamentar os filhos, além de lavar as mãos antes de tocar a criança. Também é importante desinfetar as superfícies com as quais o bebê tem contato.

Tags: