Democracia Sem Fronteiras protesta contra a guerra e defende punição a Putin

Movimento usou projeções a laser para exibir frases como "Putin Ditador" em edifícios de Brasília, entre eles o da Biblioteca Nacional
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Brasília foi palco de mais uma manifestação do movimento brasileiro Democracia Sem Fronteiras (DSF). Na quinta-feira (24), o grupo projetou em alguns prédios da capital federal, entre eles o da Biblioteca Nacional, mensagens de protesto contra a guerra na Ucrânia e contra o presidente russo Vladimir Putin.

O DSF usou projeções a laser para exibir frases em inglês e português, como “Ucrânia Livre”, “Stop the War” (Parem a guerra), “Stop Putin” (Parem Putin) e “Putin Ditador“.

“Nós, do Movimento Democracia Sem Fronteiras (DSF), somos contra todo conflito armado que tenha como objetivo ganhos políticos e territoriais contra nações democráticas”, diz o movimento em artigo de opinião sobre o conflito, ao qual A Referência teve acesso em primeira mão. “O que vemos hoje no leste da Europa é a tentativa de expansão de um governo autoritário, que visa a aumentar seu território e, consequentemente, seu poder de dominação”.

Segundo o DSF, a agressão russa à Ucrânia é um ataque não apenas à democracia, mas também aos direitos humanos. No artigo, o movimento também “se posiciona de forma prioritária pela abertura de corredores humanitários com cessar-fogo, para que sejam retirados os civis das zonas de conflito, minimizando o número de vítimas dessa guerra”.

Protesto do Democracia Sem Fronteiras, em Brasília, contra a guerra na Ucrânia (Foto: divulgação)

Nesse sentido, o grupo disse, em conversa com a reportagem, que defende punição a Putin por crimes de guerra em razão das mortes de civis. “Ficou claro que o presidente Putin quis a guerra o tempo todo. A comunidade internacional condenou a invasão e mesmo assim ele a fez, e já há centenas de civis mortos, ataques a escolas, maternidade… Ele deve sim responder por crime de guerra”.

O DSF também contestou a posição de Beijing, cuja alegada “neutralidade” é incompatível com gestos recentes pró-Moscou. “A China diretamente tem apoiado o conflito, tem ajudado a Rússia principalmente a driblar as sanções econômicas e bancárias impostas a eles, pois tem interesses econômicos e geopolíticos no conflito. Sem contar que, para eles, o triunfo de um país autoritário também é interessante”.

Por que isso importa?

A escalada de tensão entre Rússia e Ucrânia, que culminou com a efetiva invasão russa ao país vizinho no dia 24 de fevereiro, remete à anexação da Crimeia pelos russos, em 2014, e à guerra em Donbass, que começou naquele mesmo ano e se estende até hoje.

O conflito armado no leste da Ucrânia opõe o governo central às forças separatistas das autodeclaradas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, que formam a região de Donbass e foram oficialmente reconhecidas como territórios independentes por Moscou. Foi o suporte aos separatistas que Putin usou como argumento para justificar a invasão, classificada por ele como uma “operação militar especial”.

“Tomei a decisão de uma operação militar especial”, disse Putin pouco depois das 6h de Moscou (0h de Brasília) de 24 de fevereiro, de acordo com o site independente The Moscow Times. Cerca de 30 minutos depois, as primeira explosões foram ouvidas em Kiev, capital ucraniana, e logo em seguida em Mariupol, no leste do país, segundo a agência AFP.

Desde o início da ofensiva, as forças da Rússia caminham para tentar dominar Kiev, que tem sido alvo de constantes bombardeios. O governo da Ucrânia e as nações ocidentais acusam Moscou de atacar inclusive alvos civis, como hospitais e escolas, o que pode ser caracterizado como crime de guerra ou contra a humanidade.

Fora do campo de batalha, o cenário é desfavorável à Rússia, que tem sido alvo de todo tipo de sanções. Além das esperadas punições financeiras impostas pelas principais potencias globais, que já começaram a sufocar a economia russa, o país tem se tornado um pária global. Representantes russos têm sido proibidos de participar de grandes eventos em setores como esporte, cinema e música.

De acordo com o presidente dos EUA, Joe Biden, as punições tendem a aumentar o isolamento da Rússia no mundo. “Ele não tem ideia do que está por vir”, disse o líder norte-americano, referindo-se ao presidente russo Vladimir Putin. “Putin está agora mais isolado do mundo do que jamais esteve”.

Tags: