Em retaliação, Rússia expulsa dois diplomatas tchecos de Moscou

Dois funcionários da embaixada russa foram expulsos após alegações de ataque contra políticos tchecos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A Rússia expulsou de Moscou nesta segunda (15) dois diplomatas da República Tcheca. A medida é uma resposta a Praga, que, no início do mês, expulsou dois oficiais do serviço externo russo.

Segundo a Reuters, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia informou ao embaixador tcheco que os diplomatas têm até esta quarta (17) para deixar o país.

A pasta acusa Praga de tentar, de forma deliberada, aumentar a tensão entre Rússia e República Tcheca.

Em maio, administradores da capital tcheca afirmaram ser alvos de assassinos russos. Dois funcionários da embaixada foram expulsos do país.

À época, o primeiro ministro Andrej Babis afirmou que brigas internas levaram a alegações falsas de um ataque russo contra políticos tchecos.

A relação bilateral tem se agravado devido a questões históricas, como a remoção da estátua do marechal soviético Ivan Konev. O monumento ficava em uma praça em Praga e é alvo de atrito desde 2018.

Também foi condenada pelos russos a mudança de nome da praça em frente à embaixada russa em Praga, que ganhou o nome do opositor Boris Nemtsov, morto em 2005.

Em retaliação, Rússia expulsa dois diplomatas tchecos de Moscou
Embaixada da República Tcheca em Moscou, na Rússia (Foto: Wikimedia Commons)

Norte-americano condenado

Também nesta segunda, a Justiça russa condenou um executivo de segurança corporativa e ex-fuzileiro naval dos EUA Paul Whelan a 16 anos de prisão por espionagem. A informação é da agência de notícias Associated Press.

Whelan afirma que é inocente e que sua prisão foi armada. Ele estava em Moscou em 2018 para comparecer ao casamento de um amigo. Os EUA afirmam que o tratamento ao ex-fuzileiro na prisão foi “terrível”.

O irmão do norte-americano de 50 anos afirmou que ele só teve direito a uma ligação em 18 meses. O familiar também expressou preocupação como o coronavírus na prisão em que Whelan está detido.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que o processo foi “um julgamento secreto, com provas secretas e sem subsídios apropriados para as testemunhas de defesa”.

O advogado russo do ex-fuzileiro naval apontou que as autoridades russas estudam a possibilidade da troca de Whelan por Viktor Bout, ex-comerciante de armas.

O russo teria conspirado para vender equipamentos a rebeldes colombianos, e Konstantin Yarosenko, piloto preso por suposto contrabando de cocaína para os EUA.

Tags: