IPI registra mais de 350 ataques à liberdade de imprensa em meio à guerra na Ucrânia

Instituto Internacional de Imprensa listou violações como censura, fechamento de veículos e até mortes de profissionais no cumprimento do dever
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Levantamento feito pelo Instituto Internacional de Imprensa (IPI, da sigla em inglês) registrou 356 ataques a jornalistas, atos de censura e graves violações da liberdade de imprensa desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia, no dia 24 de fevereiro. O estudo foi publicado na segunda-feira (2) no site da IPI.

As informações vieram à tona um dia antes do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, celebrado nesta terça (3). Os dados ilustram os impactos da guerra causados no jornalismo independente, na liberdade de mídia e na segurança dos jornalistas nos dois países envolvidos.

A estatística mais preocupante até o momento é a de que sete jornalistas e profissionais de mídia perderam a vida no cumprimento do dever, segundo apurou o Ukraine War Press Freedom Tracker, rastreador do IPI que monitora o trabalho da imprensa durante o conflito. Além das vítimas contabilizadas, há evidências de que pelo menos mais dois profissionais podem ter sido mortos pelo exército russo por conta de suposta conexão com a atividade profissional.

IPI registra mais de 350 ataques à liberdade de imprensa em meio à guerra na Ucrânia
Jornalista registra eventos na Praça da Independência durante violentos confrontos em Kiev em 2014 (Foto: Wikimedia Commons)

Outro dado alarmante é o registro de 33 casos de jornalistas que atuam na cobertura do front, entre eles ucranianos e estrangeiros, que foram atacados, baleados ou feridos em bombardeios, muitos indo parar no hospital gravemente feridos. Uma das vítimas foi Oksana Baulina, que trabalhou para a Fundação Anticorrupção (FBK) do líder da oposição russa Alexei Navalny. Ela morreu em Kiev enquanto filmava a destruição causada por uma bomba.

Segundo o IPI, desse número, 21 foram feridos a bala e pelo menos 12 membros de equipes de reportagem acabaram sendo agredidos ou estiveram no alvo de bombardeios e outros ataques aéreos.

Casos de sequestro, tortura, agressão física e outros abusos de direitos humanos também foram apurados: pelo menos cinco profissionais de imprensa sofreram esses tipos de violência pelas mãos de soldados russos, diz o relatório.

Além das violações à vida humana, equipamento e suporte técnico também foram prejudicados. O IPI documentou quatro ataques a torres de TV e infraestrutura na Ucrânia. Nessa atmosfera, dezenas de meios de comunicação regionais foram forçados a fechar por conta de ameaças e apreensões dentro de redações.

No geral, as autoridades estatais russas e as forças militares foram responsáveis ​​por 76% de todas as violações da liberdade de imprensa relacionadas ao conflito documentadas pelo IPI nos últimos três meses.

Imprensa russa também sofre

Na Rússia, onde a imprensa teve que adotar o eufemismo definido por Vladimir Putin como “operação militar especial” em vez da palavra “guerra”, o Roskomnadzor, órgão regulador de internet e dos meios de comunicação, bloqueou pelo menos 114 sites de mídia e notícias. O número representa 32% de todas as violações registradas no Ukraine War Press Freedom Tracker.

Pelo menos dez grandes emissoras ou publicações foram fechadas ou forçadas a cessar as operações, entre elas a Novaya Gazeta, um dos tradicionais pilares de resistência da imprensa livre, que jogou temporariamente a toalha e decidiu suspender as atividades na Rússia. Pelo menos até que as ofensivas em solo ucraniano cessem, segundo a direção. 

O IPI também fala em 49 prisões de jornalistas durante cobertura de protestos contra a guerra em cidades de todo o país desde fevereiro. Muitos foram presos mesmo mediante apresentação de registro profissional.

Pelo menos 11 jornalistas foram multados ou detidos sob uma nova lei restritiva que criminaliza o que as autoridades consideram fake news sobre as forças armadas – a nova lei assinada no início de março impõe duras punições àqueles que divulgarem notícias sobre a guerra consideradas “falsas” pelo governo russo. Além disso, centenas de jornalistas russos teriam fugido do país temendo ser processados.

Dezenas de meios de comunicação estrangeiros também foram forçados a fechar seus escritórios e retirar seus correspondentes do país, contribuindo para o apagão da cobertura imparcial e deixando os cidadãos cada vez mais isolados e expostos à propaganda pró-Kremlin.

Tags: