Lituânia treina soldados da Ucrânia para o uso de sistema antimísseis dos EUA

Armamento foi fornecido pelo país báltico ao vizinho em meio ao temor de uma invasão da Rússia ao território ucraniano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A Lituânia enviou tropas à Ucrânia para oferecer treinamento e capacitar os soldados locais a usarem um sistema norte-americano antimísseis, fornecido pelo país báltico ao vizinho em meio ao temor de uma invasão russa a território ucraniano. As informações são do site The Defense Post.

“Apoiamos totalmente, estamos apoiando e continuaremos apoiando a Ucrânia”, disse o chefe militar da Defesa da Lituânia, tenente-general Valdemaras Rupsys, em comunicado. “Armas e tecnologia não são nada sem o conhecimento e a capacidade de usá-las, então compartilharemos nosso conhecimento e experiência”.

O Ministro da Defesa ucraniano Oleksii Reznikov, por sua vez, destacou a aliança entre os dois países, em post no Twitter. “Obrigado ao @LithuanianGovt, povo lituano e pessoalmente ao grande amigo de @a_anusauskas pela ajuda! As relações ucranianas e lituanas são muito próximas e duram muitos séculos. Eu aprecio nossa amizade de séculos e apoio de força um ao outro!”, diz o post.

As tropas lituanas treinarão os soldados ucranianos “nas próximas semanas”, de acordo com as forças armadas da Lituânia. O país báltico é membro da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e também enviou um contingente para uma missão de treinamento no oeste da Ucrânia.

Sistema de mísseis russo S-75 Dvina (Foto: Wikimedia Commons)

Por que isso importa?

A escalada de tensão entre Rússia e Ucrânia remete à anexação da Crimeia pelos russos, em 2014, e à guerra em Donbass, que começou naquele mesmo ano e segue até hoje.

O conflito armado no leste da Ucrânia, que já matou mais de dez mil pessoas, opõe o governo ucraniano às forças separatistas das autodeclaradas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, que formam a região de Donbass e contam com o suporte de Moscou. Em 2021, a situação ficou especialmente delicada, com a ameaça de uma invasão integral da Rússia à Ucrânia.

Washington tem monitorado o crescimento do exército russo na região fronteiriça e compartilha com seus aliados informações de inteligência. Os dados apontam um aumento de tropas e artilharia russas que permitiriam um avanço rápido e em grande escala, bastando para isso a aprovação de Putin e a adoção das medidas logísticas necessárias.

A inteligência da Ucrânia calcula a presença de mais de 120 mil tropas nas regiões de fronteira, enquanto especialistas calculam que sejam necessárias 175 mil para uma invasão. Já a inteligência dos EUA afirma que um eventual ataque ao país vizinho por parte da Rússia ocorreria pela Crimeia e por Belarus.

Um conflito, porém, não seria tão fácil para Moscou. Isso porque, desde 2014, o Ocidente ajudou a Ucrânia a desenvolver e ampliar suas forças armadas, com fornecimento de armamento, tecnologia e treinamento. Assim, embora Putin negue qualquer intenção de lançar uma ofensiva, se isso ocorrer, as tropas russas enfrentariam um exército ucraniano muito mais capaz de resistir.

Tags: