Dois meses após acidente, empresa russa causa novo vazamento de óleo no Ártico

Incidente deste domingo (12) com 45 toneladas de combustível ocorreu em oleoduto de Norilsk, oeste da Rússia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A empresa de mineração russa Norilsk Nickel afirmou neste domingo (12) que cerca de 45 toneladas de combustível de aviação vazaram em uma tubulação no Ártico, segundo a agência de notícias Reuters.

O vazamento ocorreu devido a uma despressurização de 15 minutos em um oleoduto em Tukhard, a 70 km da cidade de Norilsk. A localidade fica na região de Krasnoyarsk, oeste do país.

A empresa afirmou estar conduzindo uma investigação interna e já avisou o Ministério de Emergência russo. A tubulação também já teria sido fechada.

Maior produtora mundial de níquel e paládio, a Norilsk Nickel é controlada pelo homem mais rico da Rússia, Vladimir Potanin, que tem uma fortuna avaliada em US$ 23,5 bilhões, segundo a revista Forbes.

Acidente em maio

O incidente é o último em uma série de desastres ambientais a atingir a região acima do Círculo Polar Ártico. Em maio, houve um vazamento de mais de 20 mil toneladas de óleo diesel de um reservatório de combustível da mesma empresa, em uma usina elétrica também em Norilsk.

Novo vazamento de combustível é registrado no Ártico
Derramamento de diesel em rio na Sibéria (Foto: Greenpeace Russia/Reprodução)

O acidente foi considerado o pior desastre ambiental no Ártico. Dois gerentes e dois engenheiros foram presos por suspeita de violação das regras de proteção ambiental.

O prefeito de Norilsk e um inspetor do governo foram acusados de negligência, segundo a norte-americana Radio Free Europe.

À época, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou estado de emergência e fez duras críticas ao oligarca Vladimir Potanin, dono da Norilsk Nickel.

Autoridades afirmaram que foram avisadas do acidente apenas dois dias depois. O governador da região de Krasnoyarsk tomou conhecimento do derramamento após informações serem divulgadas nas redes sociais.

Tags: