Referendo na Suíça decidirá veto a financiamento de fabricantes de armas

Referendo está previsto para domingo (29); 'neutra', Suíça tem US$ 11 bi em empresas do setor bélico
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os eleitores da Suíça devem ir às urnas no domingo (29) para decidir se haverá proibição do financiamento a fabricantes de armas com os recursos do país. As informações são da Reuters.

Bancos suíços concedem empréstimos e detêm ações de quase US$ 11 bilhões em empresas de armamento militar, como as norte-americanas Lockheed Martin, Northrop Grumman e General Dynamics.

A proposta de referendo veio de ativistas, que coletaram 12 mil assinaturas para dar início ao processo. Os manifestantes argumentam que a Suíça, por sua política histórica de neutralidade, erra ao lucrar com material de guerra.

Suíça vai às urnas para decidir sobre veto a financiamento de fabricantes de armas
Jato F-16 construído pela empresa norte-americana Lockheed Martin Corporation em julho de 2017 (Foto: CreativeCommons)

O Swiss National Bank e o Credit Suisse se opuseram à iniciativa. As instituições são as que mais possuem financiamentos diretos ou indiretos na indústria bélica.

Os dois bancos alegam que, se aceita, a proibição enfraquecerá a Suíça como local de negócios e restringirá “desnecessariamente” outros fundos de pensão, bancos e seguradoras.

O lucro com a guerra

Além do investimento em empresas estrangeiras, a Suíça também produz e exporta armas. Em 2019, o país exportou armamentos para 71 países, no valor de 727,9 milhões de francos suíços – o equivalente a R$ 4,2 bilhões.

Estima-se que a indústria de armas da Suíça reúna três mil empresas e empregue 50 mil funcionários. Assim como o setor, o próprio governo do país se opõe à proibição.

Na pesquisa de intenções de voto de novembro, 50% dos entrevistados se diziam favoráveis ao veto ao financiamento, enquanto 45% mostram-se contrários.

Este é o mais recente referendo anti-militar no país, que não luta uma guerra externa há pelo menos 200 anos. Em 1989, os eleitores rejeitaram a abolição do Exército e, em 2014, a maioria foi contrária à compra de caças de guerra Gripen.

Tags: