Camada de gelo da Groenlândia recua pelo 25º ano consecutivo, segundo a OMM

Ano de 2021 foi o 25º consecutivo de retrocesso na principal estação da região do Polo Norte
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A camada de gelo da Groenlândia perdeu cerca de 166 bilhões de toneladas de massa até agosto passado. O ano de 2021 foi o 25º consecutivo de retrocesso na principal estação da região do Polo Norte, com derretimento maior do que a acumulação verificada no inverno.

Em relatório, a OMM (Organização Meteorológica Mundial) revela que a onda de calor ocorrida no final de julho causou a perda considerável. Pela primeira vez choveu numa estação localizada no topo de uma geleira a 3,2 mil metros de altitude. Além disso, no ano passado houve um retrocesso rápido da geleira Sermeq Kujalleq, conhecida por Ilulissat.

Os dados foram recolhidos pelo serviço dinamarquês de monitoramento do Portal Ártico Polar, que colabora no relatório anual Estado do Clima da OMM.

Geleiras no fiorde de Ilulissat, na Groenlândia, em imagem de março de 2014 (Foto: UN Photo/Mark Garten)

A chegada tardia da estação do derretimento deveu-se ao início frio e úmido do verão. No último mês de junho ocorreram nevascas excepcionalmente fortes e demoradas.

A camada de gelo perdida na temporada inclui a massa de superfície líquida de aproximadamente 396 bilhões de toneladas. Foi o 28º nível mais baixo registrado em 41 anos.

O Polar Report atribui as alterações rápidas à aceleração das mudanças climáticas.

O relatório também observa que o frio do início do verão pode ter sido causado pelas condições no sudoeste do Canadá e no noroeste dos Estados Unidos.

Nesses territórios, formou-se um enorme sistema de alta pressão de “bloqueio” em formato da letra Ômega, a última do alfabeto grego. 

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Tags: