Mundo

Com 50 adeptos, tratado por fim de armas nucleares vira lei internacional em 2021

Tratado deve entrar em vigor em janeiro de 2021 mesmo com boicote de EUA, China, Rússia e outros gigantes

O tratado que prevê a extinção de todas as armas nucleares do mundo deve entrar em vigor no próximo 22 de janeiro. O acordo ganhou a adesão de Honduras, país da América Central, no sábado (24).

Mesmo com o boicote de gigantes – EUA, Rússia, China, Reino Unido, França, Índia, Paquistão, Coreia do Norte e Israel –, o apoio de 50 países garante à ONU (Organização das Nações Unidas) o mínimo necessário para que o acordo entre em vigor como lei internacional.

Concluído em 2017 após três anos de negociação, o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares não será exigido às nações que se recusam a aceitá-lo, informou o jornal norte-americano “The New York Times”.

Ainda assim, defensores do acordo o consideram um esforço necessário para evitar guerras nucleares desde que os norte-americanos lançaram bombas atômicas sobre o Japão, há 75 anos.

Com 50 adeptos, tratado pela extinção de armas nucleares se tornará lei em janeiro
Registro histórico da bomba atômica em Nagasaki, no Japão, em 9 de agosto de 1945 (Foto: CreativeCommons)

“Com a 50ª ratificação, chamamos atenção às consequências catastróficas de qualquer uso nuclear”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres. O tratado proíbe o uso ou qualquer ameaça de armas nucleares. Testes, produção, posse ou transferência também são proibidos.

Além das 50 ratificações, o acordo ainda possui 84 assinaturas ao tratado, como é o caso do Brasil. A expectativa é que todos ratifiquem o tratado até janeiro. Com a adesão, todos os países deverão destruir os seus estoques e cumprir a promessa de eliminar armamento nuclear em seus territórios.

Trump tenta dissuadir

Em uma carta enviada aos governos que assinaram ou ratificaram o acordo, à qual a Associated Press teve acesso no dia 21, o presidente dos EUA, Donald Trump, exorta os países a reverterem a decisão. “Acreditamos que você cometeu um erro estratégico”, dizia o documento.

O documento afirma ainda que Rússia e China pretendem aumentar o seu armamento nuclear. “Eles nunca abandonarão o arsenal de forma voluntária, o que torna os demais países vulneráveis”, diz a carta.

EUA e Rússia detém 90% do volume mundial de armas nucleares. De acordo com o último levantamento da Plowshares Fund, há oficialmente 13,3 mil armas nucleares no mundo. O arsenal diminuiu em três quartos desde 1980.