Crianças yazidi reféns do EI enfrentam grave crise de saúde

Vítimas foram sequestradas e torturadas; a maioria voltou para casa com estresse pós-traumático e ansiedade
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Cerca de duas mil crianças yazidi resgatadas no Iraque, após serem mantidas em cativeiro pelo Estado Islâmico, enfrentam grave crise de saúde física e mental. A condição foi denunciada em um relatório da Anistia Internacional, publicado em 30 de julho.

Principais vítimas da comunidade yazidi, crianças enfrentam doenças físicas e mentais (Foto: Anistia Internacional/Adam Ferguson)

A comunidade yazidi é alvo dos extremistas há anos. Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), o grupo promoveu genocídio contra essa população entre 2014 e 2017.

De acordo com o material, as crianças foram sequestradas, torturadas, forçadas a lutar na guerra, estupradas e sujeitas a inúmeros outros abusos pelo grupo extremista.

Impactos severos

As crianças sobreviventes retornaram às suas famílias com lesões debilitantes, doenças e deficiências físicas.

Entre as condições de saúde mental mais comuns estão o estresse pós-traumático, além de transtornos de ansiedade e depressão.

Como consequência, seus comportamentos são extremamente agressivos, com afastamento e severas mudanças de humor.

Ao pedir apoio das autoridades nacionais iraquianas e também da comunidade internacional, o vice-diretor da Anistia Internacional, Matt Wells, afirmou que as crianças enfrentam um “legado de terror”.

“Sua saúde física e mental deve ser uma prioridade nos próximos anos se quiserem se reintegrar totalmente em suas famílias e comunidades.”

Tags: