Em países ricos, sete em cada dez aprovam governo durante pandemia

Estudo reuniu 14 nações desenvolvidas e avalia percepção de unidade nacional e atuação estatal na crise
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Nos países desenvolvidos, 70% das pessoas avaliam bem a condução das políticas antipandemia por seus governos, segundo pesquisa do instituto norte-americano Pew Research. O estudo foi publicado na última quinta (27).

A pesquisa também aponta que há uma “divisão” desde o início da pandemia. Cerca de 46% sente uma unidade nacional mais forte agora, após o coronavírus. Para 48%, o efeito foi contrário: as pessoas estão cada vez mais divididas.

A pesquisa foi feita com entrevistas, realizadas entre 10 de junho e 3 de agosto, com mais de 14,2 mil adultos. Participaram Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Holanda, Espanha, Suécia, Reino Unido, Austrália, Japão e Coreia do Sul.

Entre desenvolvidos, 7 em cada 10 julgam que governos lidaram bem com pandemia
Homem circula em supermercado de Londres, na Inglaterra, em abril de 2020 (Foto: Flickr/Nickolay Romensky)

Quem discorda da ação do governo durante a crise do novo coronavírus tende a ver o país mais dividido. Na Coreia do Sul, 74% veem a atuação das lideranças de forma negativa desde o início da pandemia – o país também figura entre os mais altos índices de percepção de erosão nacional.

Nessa categoria, os norte-americanos são os campeões: 77% dos consultados veem a unidade nacional “se dissolvendo” durante a pandemia.

Raízes ideológicas

A percepção de desgaste da unidade nacional tem raízes ideológicas, revela o estudo. Ou seja: quem aprova o governo avalia-o melhor.

Nos EUA, 76% dos republicanos aprovam as políticas de Donald Trump. Apenas um quarto dos democratas concordam com a atuação do presidente.

No Reino Unido, 55% dos britânicos de direita avaliam positivamente a liderança do primeiro-ministro conservador Boris Johnson. Apenas 26% da esquerda tem a mesma opinião.

Na Espanha, hoje liderada pelo Partido Socialista, 73% daqueles que se identificam à esquerda estão satisfeitos com a resposta do governo à pandemia. Na direita, são apenas 40%.

Entre desenvolvidos, 7 em cada 10 julgam que governos lidaram bem com pandemia
Profissionais da saúde durante atendimento ao público na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, em março de 2020 (Foto: Exército Nacional EUA/Amouris Coss)

Impactos sociais

A pesquisa também observou diferenças de gênero: as mulheres disseram sentir os efeitos do vírus de forma mais aguda, seja pelo aumento do trabalho doméstico ou pelo fechamento de creches e escolas.

Em meio a conflitos bilaterais com efeitos na OMS, (Organização Mundial da Saúde), metade dos entrevistados acredita que a cooperação internacional teria reduzido o número de casos de Covid-19 nos seus países. Os mais jovens são mais propensos a ter esse ponto de vista.

Tags: