Líder da Al-Qaeda aparece em novo vídeo e aumenta especulação de que esteja vivo

Relatos da morte de Ayman al-Zawahiri surgiram no final de 2020, mas vídeos e relatórios de inteligência deste ano indicam que ele esteja vivo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Um vídeo publicado pelo canal de mídia oficial da Al-Qaeda, na terça-feira (23), reforçou os indícios de que o principal líder da organização extremista, Ayman al-Zawahiri, esteja vivo. Na gravação, o jihadista critica a ONU (Organização das Nações Unidas) pelo tratamento dispensado aos muçulmanos e às nações islâmicas, de acordo com a rede indiana WION.

No ano passado, boatos sobre a morte de al-Zawahiri circularam na internet, mas a informação não foi confirmada pelo grupo extremista. Neste ano, porém, diversos indícios apontaram no sentido oposto, dando a entender que o extremista ainda esteja vivo, embora não seja possível afirmar isso categoricamente.

Ayman al-Zawahiri, líder da Al-Qaeda, em vídeo com críticas à ONU (Foto: reprodução/Twitter)

Como nos episódios anteriores deste ano, as novas imagens não têm data nem fazem referência a eventos específicos, o que mantém o assunto no campo das especulações. O extremista ele cita os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos, e acusa a entidade de ser hostil às nações de maioria muçulmana.

No vídeo de 38 minutos, al-Zawahiri diz que a ONU foi criada “pelas potências vitoriosas na Segunda Guerra Mundial com o objetivo de impor um sistema político e uma doutrina em todo o mundo e com vistas a estabelecer sua hegemonia sobre o resto da humanidade”. Afirma, ainda, que as decisões da entidade e a Declaração Universal dos Direitos Humanos devem ser rejeitadas, pois foram redigidas por “uma organização criada para controlar o mundo e impor-lhe uma ideologia irreligiosa e imoral, que contradiz o princípio islâmico Shariah”, segundo o site Militan Wire.

Por que isso importa?

Os primeiros relatos da morte do chefe da Al-Qaeda surgiram em novembro de 2020, na imprensa paquistanesa. As informações apontavam que Zawahiri teria morrido de causas naturais, provavelmente no Afeganistão.

Em março, um vídeo lançado pela Al-Qaeda alimentou os rumores de que o sucessor de Osama bin Laden estaria morto. A principal figura do grupo jihadista falou em apenas quatro dos 22 minutos daquele informe, que tratou do genocídio contra os muçulmanos rohingya de Mianmar. No restante, um narrador atualizou o tema.

Em maio, um relatório da inteligência dos EUA apontou que o chefe da Al-Qaeda estava vivo e escondido no Irã, com outros líderes tendo assumido o comando da organização terrorista. A informação foi ratificada no mês seguinte pelo Conselho de Segurança da ONU, segundo o qual al-Zawahiri estava vivo, embora com a saúde “muito frágil” para aparecer em vídeos de propaganda.

“Relatos anteriores de sua morte devido a problemas de saúde não foram confirmados”, diz o documento. O relatório afirma ainda que uma “parte significativa” da liderança da Al-Qaeda está na região de fronteira entre Afeganistão e Paquistão, incluindo o líder.

Mais recentemente, em setembro, o jihadista apareceu em um vídeo sobre os 20 anos do ataque de 11 de setembro contra os Estados Unidos. Nele, o sucessor de Osama bin Laden citou um ataque contra forças russas ocorrido no dia 1º de janeiro, na Síria, indicando que estava vivo ao menos até o início de 2021. Entretanto, não mencionou a retirada das tropas dos EUA do Afeganistão, nem o fato de o Taleban ter assumido o governo afegão em agosto.

No Brasil

Casos mostram que o Brasil é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino.

Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos.

Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: