Lojistas do Afeganistão são obrigados a remover cabeças de manequins nas vitrines

Talibãs argumentam que a lei islâmica proíbe a adoração de ídolos. E eles tratam os manequins da mesma maneira que tratariam ídolos religiosos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Comerciantes da província de Herat, no oeste do Afeganistão, começaram a remover as cabeças dos manequins que são exibidos nas vitrines de suas lojas. A ordem partiu do Taleban, que baseia a proibição no argumento de que a Sharia, a lei islâmica, proíbe a adoração de ídolos. E os talibãs tratam os manequins da mesma maneira que tratariam ídolos religiosos, como imagens de santos católicos, por exemplo. As informações são da rede Voice of America (VOA).

A ordem para remover as cabeças foi dada expressamente pelo Ministério Para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício, sob o argumento de que os manequins são ofensivos ao Islã. Há a promessa de punir os lojistas que não obedecerem à determinação. Inicialmente, os proprietários de shopping centers contestaram a ordem, argumentando que outros países muçulmanos permitem os manequins. Mais tarde, resolveram acatara a ordem.

O porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, em entrevista à televisão estatal afegã, defendeu recentemente as medidas tomadas pelo Ministério. Segundo ele, as proibições não deveriam ser motivo de preocupação para ninguém porque “o Afeganistão é uma nação muçulmana e ninguém se opõe às leis islâmicas no país”. Porém, ele diz que a instrução do governo aos talibãs é para que “não maltratem as pessoas e sejam educados com elas”.

As proibições se acumulam no Afeganistão desde que o Taleban assumiu o poder, em 15 de agosto de 2021. No final de dezembro, foi anunciado que as mulheres que quiserem viajar longas distâncias devem fazê-lo acompanhadas por um homem da família. Nas ruas do Afeganistão, já existe um monitoramento de taxis para verificar se a determinação está sendo cumprida. Os taxistas também foram obrigados a deixar a barba crescer e precisam interromper o serviço nos horários de oração.

Vitrine de loja em Cabul, no Afeganistão (Foto: reprodução/Tripadvisor)

Por que isso importa?

Desde que assumiu o poder, no dia 15 de agosto, o Taleban busca reconhecimento internacional como governo de fato do que chama de “Emirado Islâmico“. O grupo chegou a se reunir com autoridades da ONU (Organização das Nações Unidas) a fim de garantir que a assistência humanitária seja mantida no país.

O problema é que as acusações de abusos dos direitos humanos e de repressão, sobretudo contra mulheres, afastam cada vez mais o governo talibã da comunidade internacional. Tanto que, até agora, nenhuma nação reconheceu formalmente o Taleban como poder legítimo no país, apesar da aproximação com países como China e Paquistão.

Mais do que legitimar os talibãs internacionalmente, o reconhecimento é crucial para fortalecer financeiramente um país pobre e sem perspectivas imediatas de gerar riqueza. Inclusive, os Estados Unidos, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) cortaram o acesso de Cabul a mais de US$ 9,5 bilhões em empréstimos, fundos e ativos, sem qualquer previsão de retirada das sanções que bloquearam o dinheiro fundamental para reerguer o país.

Tags: