Afeganistão afirma ter matado Abu Al-Masri, líder da Al-Qaeda

Al-Masri seria o segundo em comando da Al-Qaeda; exército afegão diz tê-lo matado na província de Ghazni
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

As forças de segurança do Afeganistão mataram um dos principais líderes da Al-Qaeda no sábado (24). O Diretório Nacional de Segurança afegão confirmou a informação no Twitter.

Abu Muhsin al-Masri seria o segundo em comando da Al-Qaeda. Ele foi morto em uma operação na província afegã de Ghazni.

Al-Masri era procurado como um dos principais terroristas do mundo pelo FBI (Departamento Federal de Investigações dos EUA, em inglês). Ele enfrenta acusações de fornecer apoio a terroristas e conspirar para matar cidadãos norte-americanos, registrou a Reuters.

Afeganistão afirma ter matado líder da Al-Qaeda, Abu Al-Masri
Soldado dos EUA na província de Ghazni, no Afeganistão, em abril de 2012 (Foto: U.S. Army/Michael McLeod)

O governo dos EUA afirmou, em setembro, que 200 integrantes da Al-Qaeda permanecem no Afeganistão.

Fundada por Osama bin Laden em 1988, hoje a Al-Qaeda tem como líder Ayman al-Zawahiri. Al-Masri estaria na linha de sucessão do comando do grupo. Em geral, a rede atua por meio de bombardeios suicidas ou simultâneos, a exemplo do que ocorreu nos EUA em 11 de setembro de 2001.

No país o final de 2001, as tropas norte-americanas estão deixando o Afeganistão de forma gradual desde o acordo selado com o Taleban em fevereiro.

Agora o governo do Afeganistão e o Taleban negociam para alcançar um acordo de paz e cessar-fogo intra-afegão. Em meio a profundas divergências, as discussões começaram no dia 12 de setembro, no Catar.

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino. Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos. Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: