Oriente Médio

Sob pressão dos EUA, ONU vai ao Irã para verificar estoque nuclear do país

Suspeita é que Irã tenha mantido estoques nucleares dos anos 2000, anteriores ao acordo nuclear de 2015

O chefe da Agência de Vigilância Atômica da ONU (Organização das Nações Unidas), Rafael Grossi, está no Irã para verificar se a quantidade de estoque nuclear do país adere aos termos previstos pelo acordo de 2015.

A suspeita é a de que o país está armazenando um arsenal não declarado, informou a Associated Press.

ONU verifica se Irã tem mais material nuclear que o declarado
Reunião entre o vice-presidente e chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, Dr. Salehi, e o representante da ONU, Rafael Grossi, nessa terça (25), em Teerã (Foto: Twitter/Rafael Grossi)

A equipe deve acessar locais abertos no início dos anos 2000. “O objetivo é que as reuniões tenham um progresso concreto nessas questões pendentes”, afirmou Grossi.

Contrariado, o Irã afirmou que os inspetores da ONU não possuem “base legal” para verificar suas plantas nucleares.

No último levantamento da Plowshares Fund, fundação pela extinção do armamento nuclear, o Irã declarou não ter nenhum tipo de estoque. Já os EUA e a Rússia possuem 90% das armas nucleares do planeta.

Acordo vivo

Em 2018, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou o país do acordo nuclear do Irã em uma decisão unilateral. De lá para cá, outros países envolvidos – França, Grã-Bretanha, Alemanha, Rússia e China – tentam mantê-lo em pé.

O acordo promete incentivos econômicos ao Irã em troca de restrições no seu programa nuclear. No entanto, o restabelecimento das sanções norte-americanas e a saída do país do acordo contribuíram para que as disposições fossem violadas.

Uma reunião entre os membros permanentes do Conselho com o Irã está agendada para o dia 1º de setembro, em Viena. Os EUA não participam.