No Zimbábue, terras tomadas por Mugabe serão devolvidas a britânicos

Após reforma agrária forçada na ditadura de Mugabe, governo usa restituições para retomar "laços com Ocidente"
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os fazendeiros estrangeiros brancos assentados no Zimbábue cujas terras confiscadas foram pelo ex-primeiro-ministro Robert Mugabe poderão solicitar a devolução desses terrenos.

Os ministros Mthuli Nchube e Anxious Masuka publicaram a decisão na segunda (31), informou a Reuters.

Em agosto, o Zimbábue aceitou pagar US$ 3,5 bilhões (R$ 18,7 bilhões) aos fazendeiros brancos que tiveram suas terras tomadas pelo governo para reassentar famílias negras.

Fazendeiros que tiveram terras confiscadas no Zimbábue poderão recuperá-las
Agricultores em Chiredzi, Zimbábue, em abril de 2011 (Foto: Flickr/Ulrika)

Se a restituição for impraticável, os fazendeiros receberão ofertas de terras em outros espaços. Quando a decisão foi tomada, no início dos anos 2000, os estrangeiros deveriam ser compensados, o que nunca aconteceu.

À época, cerca de 4,5 mil produtores entregaram as suas propriedades a 300 mil famílias negras. Mugabe, que morreu em setembro de 2019, alegava “corrigir desigualdades” herdadas da colonização britânica.

Processo complexo

O governo do Zimbábue vai revogar os documentos dos agricultores negros que atualmente ocupam as terras e oferecer outro espaço em troca. A remoção, no entanto, esbarra em um trâmite complexo, do ponto de vista prático e político.

O atual presidente do Zimbábue, Emmerson Mnangagwa, já afirmou que não pode reverter a reforma agrária.

O pagamento de indenizações seria essencial para consertar os “laços com o Ocidente”, afirma. Trata-se de tática análoga à sudanesa, cujo governo se dispôs a pagar indenizações a vítimas de terrorismo para retornar à comunidade internacional após anos sob o ditador Omar al-Bashir.

O programa divide a opinião pública no país africano. De 2000 para cá, a população de agricultores brancos reduziu de 4,5 mil para apenas 200, de acordo com o sindicato dos agricultores comerciais, de maioria caucasiana.

Tags: