Sem consenso na oposição, violência pré-eleição continua na Costa do Marfim

A menos de 10 dias para as eleições, em 31 de outubro, aumentam casos de violência intercomunitária no país
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O histórico de violência nos períodos pré-eleitorais da Costa do Marfim se confirmou também em 2020. A menos de dez dias para o pleito, agendado para o dia 31, aumentam as perseguições e agressões intercomunitárias em todo o país.

Há registros de que o conflito aumentou desde que a oposição o atual presidente Alassane Ouattara, candidato à terceira reeleição, decidiu boicotar as eleições e rejeita negociação com o governo.

De acordo com o portal Yahoo! News, os governantes sugeriram, na quarta (21) uma possível reforma na Comissão Eleitoral do país. A mudança que a oposição afirmou que o órgão serve a Ouattara e prometeu desobediência civil contra o presidente.

Com a negativa dos oposicionistas, conflitos eclodiram em diversas regiões do país. Na cidade portuária de Dabou, próxima à Abidjan, sete pessoas morreram e 40 ficaram feridas.

Sem consenso entre oponentes, violência pré-eleição se repete na Costa do Marfim
Pôsteres de propaganda política de Alassane Ouattara em muro da região periférica de Abidjan, na Costa do Marfim, em dezembro de 2015 (Foto: CreativeCommons/Maxence Peniguet)

Segundo as autoridades locais, 20 pessoas foram mortas em conflitos desde agosto, quando Ouattara realizou uma manobra jurídica para a sua recandidatura após a morte do seu antecessor, Amadou Gon Coulibaly.

Quando Ouattara foi eleito presidente, em 2010, cerca de 3 mil pessoas morreram em conflitos pré-eleitorais. À época, o então chefe de Estado, Laurent Gbagbo, se recusou a aceitar a derrota no pleito.

Gbagbo foi impedido de concorrer neste ano. Ele é condenado a 20 anos de prisão pelo pelo saque de uma agência do Banco Central da África Ocidental, em 2010.

Na segunda (20), a Ecowas (Comunidade Econômica Regional dos Estados da África Ocidental) exortou os partidos da oposição a reconsiderarem o boicote às eleições.

Tags: