Artigos

O custo da repressão à mídia na Rússia

Artigo afirma que, à medida que Moscou visa veículos de notícias independentes, acesso dos russos à verdade torna-se cada vez mais restrito

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site da revista britânica Prospect

Por Roman Badanin*

Quando o ministro russo de Situações de Emergência da Rússia Yevgeny Zinichev morreu, em 8 de setembro, perto da cidade industrial siberiana de Norilsk, a versão oficial foi de que ele se sacrificou heroicamente tentando salvar um cinegrafista de cair de um penhasco. Quase imediatamente, uma segunda versão não oficial surgiu alegando que ele estava na verdade visitando uma cachoeira, quando escorregou e caiu de um penhasco, levando um cinegrafista com ele. Na Rússia, onde há cada vez mais desconfiança nas narrativas oficiais do Estado e uma repressão contínua à mídia independente, o que me forçou e a muitos outros a deixar o país, é difícil saber o que é verdade e o que é ficção.

Aumenta a suspeita em torno desta história o fato de que a versão oficial foi anunciada por Margarita Simonyan, a notória chefe do canal de propaganda estatal RT. (Foi Simonyan quem entrevistou na RT os dois oficiais de inteligência russos que se acredita terem tentado matar Sergei Skripal em Salisbury com o agente nervoso novichok).

Esta é a atmosfera em que as eleições parlamentares da Rússia ocorreram no mês passado. Com as pesquisas do partido do presidente Vladimir Putin em baixas quase históricas, as autoridades intensificaram uma campanha para reprimir a mídia independente, censurar a internet e tentar impedir protestos antifraude como os que eclodiram em 2011.

O custo da repressão à mídia na Rússia
Roman Badanin é fundador e editor-chefe do Proekt (Foto: domínio público)

No início deste ano, o ministério da justiça da Rússia designou o Proekt, site de notícias investigativas que fundei, uma “organização indesejável” e rotulou a maioria dos membros de sua equipe de “agentes estrangeiros”, efetivamente banindo todas as nossas atividades na Rússia. Além disso, três jornalistas da Proekt, incluindo eu, tiveram acusações de difamação movidas contra nós. Qualquer uma das acusações pode resultar em prisão. Desde abril, pelo menos dez veículos de comunicação foram alvos do governo. O verdadeiro jornalismo que cobre a Rússia está cada vez mais sendo feito no exílio – e depende de ser compartilhado online.

Para que isso continue, grandes plataformas de tecnologia como Facebook, YouTube e Twitter devem lutar contra a pressão russa para censurar. Os líderes ocidentais também precisam aumentar a liberdade da mídia e os direitos dos jornalistas da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), bem como nos Estados Unidos, para garantir que a questão não seja esquecida. Essas questões não são apenas sobre a Rússia, mas sobre a liberdade de imprensa em um mundo onde está cada vez mais sob ataque, mesmo nos países ocidentais.

A região de Krasnoyarsk, onde Zinichev morreu, demonstra como a liberdade de imprensa está em declínio. Existem 45 meios de comunicação estatais registrados. Nenhum deles tentou verificar as circunstâncias em torno da morte do ministro. Este é o paradoxo da era Putin: existem milhares de veículos de mídia afiliados ao governo operando no país, mas o acesso dos cidadãos às notícias está se tornando mais restrito a cada dia que passa. Em uma eleição em que a Rússia manteve de fora os monitores da OSCE, as inconsistências na contagem também não serão verificadas.

O custo da repressão à mídia na Rússia
Vladimir Putin e Yevgeny Zinichev, em julho de 2016 (Foto: Wikimedia Commons)

Não é como se não soubéssemos o verdadeiro dano que a censura pode causar. Em 1986, após a explosão na usina nuclear de Chernobyl, as autoridades soviéticas cobriram a verdadeira extensão dos danos. Mas três dias após a explosão, jornalistas de um pequeno jornal sueco, o Tidningarnas Telegrambyra, notaram uma nuvem radioativa sobre a Escandinávia. Se não fosse por suas revelações, o Kremlin, que tinha controle absoluto da mídia soviética, teria escondido a verdade por ainda mais tempo, colocando em risco a vida de milhares, senão milhões. Essa ignorância é o verdadeiro custo da censura, então e agora.

Por que o que aconteceu com um ministro na distante Sibéria deveria ser relevante para o mundo exterior? Sua morte não é um segundo Chernobyl. Zinichev era próximo de Putin e era o guarda-costas do presidente antes de ser promovido a chefe do Ministério de Situações de Emergência. Essa instituição tem a tarefa de responder a desastres naturais e causados ​​pelo homem, desde acidentes em usinas nucleares a incêndios florestais colossais na Sibéria. Não é surpresa que as autoridades russas – que continuamente negaram ter cometido os supostos assassinatos e envenenamento de ex-espiões como Skripal e Litvinenko no Reino Unido – possam esconder do público as circunstâncias da morte de um ministro.

Não precisava ser assim. Até recentemente, o canal de TV independente TV2, com sede na cidade siberiana de Tomsk, cobria ativamente notícias regionais importantes. Talvez pudesse ter buscado a verdade sobre o que aconteceu ao ministro Zinichev, se as autoridades russas não tivessem revogado sua licença em 2015 por motivos amplamente considerados políticos. O canal foi fechado, e seu líder, forçado a deixar a Rússia. Os aclamados meios de comunicação russos independentes e até mesmo a BBC, desde então, enfrentaram censura semelhante. Isso criou uma atmosfera de dúvida e cinismo – assim como havia na União Soviética – e ameaça países em todos os lugares.

*ex-editor-chefe da agência de notícias investigativa russa Proekt, atual editor-chefe da agência de notícias Agentstvo e bolsista sênior internacional da Universidade de Stanford