Contra a Índia, Paquistão dará autonomia a parte da Caxemira próxima da China

O status provisório de província será concedido à região paquistanesa de Gilgit-Baltistão; Índia rejeita mudança
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Em uma decisão que irritou a Índia, o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, anunciou que concederá um “status provisório” de província a uma parte da região da Caxemira.

De acordo com a Reuters, o status de “província” se aplicaria a Gilgit-Baltistão, a única ligação terrestre do Paquistão com a China. “É uma demanda há muito tempo”, justificou Khan em uma visita a cidade de Gilgit.

Em resposta, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Shri Anurag Srivastava afirmou que Nova Délhi rejeita qualquer tentativa do Paquistão de realizar “mudanças no território indiano”.

Srivastava ainda afirmou que a ocupação paquistanesa no território é “ilegal e forçada”.

Contra a Índia, Paquistão dará status de província a parte da Caxemira
Embarcações de ambulâncias no Lago Attabad na região do Gilgit-Baltistão, no Paquistão, em julho de 2014 (Foto: WikiCommons/Jameel Ahmed)

De maioria muçulmana, a Caxemira é disputada pelos dois países desde que Nova Délhi e Islamabad conquistaram a independência do Reino Unido e se separaram em dois países, em 1947.

Desde então, Índia e Paquistão já travaram duas guerras pelo território.

De acordo com Khan, a decisão obedece a resoluções do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), mas não deu detalhes sobre normas e nem especificou o prazo para a implementação.

Para entrar em vigor, o movimento carece de uma emenda constitucional do Paquistão e a aprovação de dois terços no plenário.

Em Gilgit-Baltistão, Khan busca instaurar uma eleição parlamentar em 15 de novembro, a fim de conceder poderes autônomos à região. A Índia se opõe à eleição e defende que o Paquistão ocupa o território de forma ilegal.

Mais de 1,2 milhão de pessoas moram no local, foco do projeto de infraestrutura chinês “Corredor Econômico China-Paquistão”. O investimento previsto é de mais de US$ 65 bilhões.

Tags: