Ásia e Pacífico

Crianças são usadas como ‘escudo humano’ em Mianmar, alerta ONU

Crianças são forçadas a caminhar em frente a batalhões para garantir rota livre de minas terrestres e possíveis ataques

A ONU (Organização das Nações Unidas) alertou, no dia 14, que crianças estão sendo usadas como “escudo humano” durante os conflitos entre o exército nacional Tatmadaw e o grupo separatista Arakan, no norte de Mianmar.

Um relato aponta para a morte de dois meninos durante o fogo cruzado entre os oponentes no dia 5 de outubro, em Buthidaung, em Rakhine, no oeste do país. A cidade seria um ponto frequente de abusos do exército contra crianças desde 2019, apontam agências da ONU.

O “escudo” era composto por 15 crianças locais. Todas teriam sido forçadas a caminhar em frente de uma unidade do Tatmadaw para garantir que o acampamento estivesse livre de minas terrestres e proteger os soldados de ataques.

Crianças são usadas como 'escudo humano' em Mianmar, alerta ONU
Crianças trabalham nos campos da comunidade de Buthidaung, em Mianmar, em registro de maio de 2015 (Foto: WikiCommons/Mohan)

Além dos “escudos humanos”, a ONU ainda alerta para um aumento alarmante de assassinatos e ferimentos de crianças em Mianmar.

A missão das Nações Unidas no país relata a morte ou mutilação de mais de 100 crianças em conflitos entre janeiro e abril de 2020. O número é duas vezes maior que o número total registrado durante todo o ano de 2019.

O país asiático de 53,7 milhões de habitantes é conhecido pela forte perseguição do exército à minoria muçulmana rohingya. Com relatos de assassinatos e estupros, grupos de direitos humanos também acusam as tropas de cometer atrocidades em diversas aldeias.