Três anos após êxodo, povo rohingya vive pobreza extrema em Bangladesh

Três anos após êxodo forçado, refugiados sofrem com dificuldade de acesso a alimentos e pobreza extrema
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Três anos após o êxodo forçado de 700 mil pessoas da etnia rohingya de Mianmar após limpeza étnica estatal, essas pessoas estão “mais vulneráveis que nunca”, informou a ONU (Organização das Nações Unidas) nessa terça (25).

A população, que migrou em massa para o vizinho Bangladesh em 2017, está em situação de extrema pobreza e depende de assistência humanitária para sobreviver.

Vulnerabilidade de refugiados rohingya persiste após três anos de êxodo
Campo de refugiados em Cox’s Bazar, no sul de Bangladesh; imagem de julho de 2018 (Foto: UN Photo/KM Asad)

Os alimentos nos acampamentos de refugiados desapareceram durante a pandemia de Covid-19. Com a interrupção das cadeias de abastecimento, os preços aumentaram e o acesso, por consequência, diminuiu.

Além da assistência do PMA (Programa Mundial de Alimentos), não há o que comer, informou a porta-voz da organização, Elisabeth Byrs.

A possibilidade de contágio pelo vírus também preocupa. Se houver um surto nos campos de refugiados, o resultado pode ser devastador, diz Byrs.

Família de refugiados Rohingya no campo Cox’s Bazar, em Bangladesh. Julho de 2018 (Foto: UN Photo/KM Asad)

O maior risco é no campo de refugiados em Cox’s Bazar, no sul de Bangladesh, mais superlotado do mundo. Centenas de milhares de pessoas vivem em 13 quilômetros quadrados – e implementar medidas de distanciamento social é quase impossível.

Consequências

Fenômenos climáticos como as fortes chuvas de monções também pioram a situação já dramática desses refugiados. As águas já destruíram abrigos e levaram plantações na região, deixando 100 mil pessoas afetadas.

Desde o início do ano, mais de 300 mil crianças e adolescentes estão fora das escolas, alertou a Unicef.

O êxodo forçado da população rohingya aumentou em agosto de 2017, após série de ataques contra a minoria muçulmana, que vivia em território birmanês há séculos.

Há relatos de que grupos violentos de Mianmar realizavam práticas de limpeza étnica. O governo birmanês já havia removido a cidadania dessa população e estima-se que mais de 700 mil tenham migrado para Bangladesh naquele ano.

Tags: