Governo da Indonésia quer vacinas da Covid-19 disponíveis em janeiro

Na maior contração econômica em 20 anos, país vê nas vacinas saída para a crise; testes são da chinesa Sinovac
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Depois iniciar pesquisas para produzir suas próprias vacinas, a Indonésia pressiona os laboratórios para que a imunização à Covid-19 esteja disponível já em janeiro. A informação é da agência Bloomberg.

Com uma contração econômica de 5,32% desde o início do ano – a maior em 20 anos – e mais de 4,9 milhões na pobreza extrema, o país vê a medicação como a única rota de saída da crise.

Com todos os esforços sobre as doses desde o início de julho, a estatal farmacêutica Bio Farma busca pela aprovação rápida da vacina chinesa Sinovac. A estatal quer produzir de 10 a 20 milhões de doses antes mesmo da comprovação da eficácia do medicamento.

Sob pressão, Indonésia espera vacinas da Covid-19 para janeiro
Testes da vacina contra a Covid-19 na Indonésia, em julho de 2020 (Foto: Flickr/Australian Embassy Jakarta)

O objetivo é que as doses sejam disponibilizadas imediatamente, disse o presidente Joko Widodo. O primeiro lote irá para os profissionais da saúde.

Muitos já se voluntariaram para testar o medicamento, como o chefe de Polícia e o governador da província de Java Ocidental, Ridwan Kamil. Sem saber se receberam um placebo ou a vacina experimental, ambos promoveram a experiência na Instagram.

“Por cinco minutos, minha mão esquerda ficou dormente e tive uma sensação de desmaio”, relatou Kamil. “Mas depois disso tudo ficou normal. Só estou um pouco sonolento e com uma fome incomum”, pontuou.

https://www.instagram.com/p/CEbmObJJJ14/

Riscos da pressa

O presidente indonésio reiterou que as medidas de distanciamento persistem até que toda população receba as vacinas. “É a única resposta para acabar com a pandemia”, disse.

Ainda assim, Widodo reconhece os riscos. “Não está claro quanto tempo a proteção de qualquer vacina vai durar”, apontou. Até o momento, a vacina não teve problemas de segurança nas Fases I e II, informou a Bio Farma.

O processo de inoculação é complexo e resultados não são obtidos imediatamente, dizem especialistas. Um exemplo é a vacina contra o vírus Ebola, que levou 13 anos para ter total eficácia.

De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, a Indonésia já confirmou 236,5 mil casos e 9,3 mil mortes por doenças em decorrência do novo coronavírus. O país possui o segundo maior surto do Sudeste Asiático, atrás apenas das Filipinas.

Tags: