Ex-premiê da Austrália quer investigação contra Murdoch, da Fox

Kevin Rudd denuncia abuso do monopólio midiático nos veículos da News Corp, que domina mercado no país
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Mais de 500 mil assinaturas apoiam a abertura da investigação de abuso do monopólio midiático na Austrália contra o dono da Fox, Rupert Murdoch. A demanda está na petição do ex-primeiro-ministro, Kevin Rudd, que entregou o documento ao Parlamento australiano nesta quinta (5).

Especialistas disseram ao portal The Feed que a petição possui o maior número de assinaturas já reunidas ao Parlamento.

Com uma vasta campanha pelo Twitter desde o dia 12 de outubro, Rudd quer investigar o conglomerado News Corp, gerenciado pelo bilionário Rupert Murdoch.

O monopólio de Murdoch abrange 70% dos jornais impressos da Austrália. “Murdoch se transformou em um câncer arrogante em nossa democracia”, disse o político ao pedir por uma mídia mais diversa.

Ex-premiê da Austrália entrega petição contra monopólio midiático com 500 mil assinaturas
Fachada da News Corp em Nova York, em abril de 2012 (Foto: CreativeCommons)

A News Corp, sob comando de Murdoch, está à frente dos veículos “The Australian”, “Daily Telegraph”, “Herald Sub” e “Courier Mail”.

No exterior, o empresário é dono de “The Wall Street Journal”, “New York Post”, nos EUA; e “The Sun” e “The Times”, no Reino Unido, além da emissora de televisão Fox.

Rudd acusa o empresário de manter seus jornais na Austrália para aumentar o poder político e perseguir interesses comerciais. Além disso, Murdoch também usaria o conglomerado de mídia para “perseguir” opiniões contrárias.

“Nas últimas 18 eleições deste países vimos uma campanha feroz da mídia de Murdoch contra o Partido Trabalhista e seu apoio feroz aos partidos Liberal e Nacional”, afirmou Rudd. O ex-premiê também aponta que não há qualquer condição para concorrência equitativa no país.

Rudd se tornou líder do Partido Trabalhista australiano em 2006 e deixou o Parlamento em 2013, após a derrota da sigla.

Tags: