Índia proíbe mais 43 aplicativos chineses em meio a tensão bilateral

Essa é a terceira vez que Nova Délhi proíbe plataformas chinesas desde junho; número de vetados já ultrapassa 170
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Um novo decreto publicado pelo governo da Índia nesta terça (24) proibiu a utilização e funcionamento de mais 43 aplicativos chineses no país. A medida vem na sequência de uma escalada de tensões entre os dois países.

Com a terceira leva, o número de aplicativos chineses proibidos na China chega a 170. O levantamento é do jornal norte-americano “The Wall Street Journal”. As primeiras sanções sobre dispositivos tecnológicos vindos do país vizinhos aconteceram em junho e setembro.

Os vetos incluem aplicativos de namoro e vídeo ainda pouco populares entre os jovens indianos. A proibição também se estende para plataformas ligadas aos grupos Alibaba e AliExpress.

Aplicativos mais populares, como o WeChat e TikTok, estão fora de circulação desde junho. De acordo com o Ministério de Tecnologia da Informação, o motivo do veto é a preocupação com a segurança de dados dos softwares chineses.

Em meio a tensão, Índia proíbe mais 43 aplicativos chineses
Influenciadores migram de rede social na Índia após governo banir TikTok (Foto: Pexels)

“A ação tem base nas informações sobre esses aplicativos e o possível envolvimento de atividades prejudiciais à soberania da Índia”, disse uma nota oficial do governo de Nova Délhi.

Políticos indianos da oposição afirmam que a proibição não passa de um “ataque digital” contra Beijing. China e Índia se confrontam desde junho ao longo da disputada fronteira dos dois países no Himalaia.

O alinhamento do governo do primeiro-ministro Narendra Modi com os EUA impulsionou sanções à China. À frente de Washington até janeiro, Donald Trump liderou as proibições de aplicativos chineses nos EUA desde o começo do ano.

Agora, as autoridades indianas também devem impedir que empresas estatais comprem equipamentos da gigante chinesa Huawei para a implantação das redes 5G no país.

Tags: