Proibida de ir à corte, mulher de Navalny diz que julgamento do marido é ‘ilegal e vergonhoso’

Oposicionista é acusado de se apropriar de dinheiro doado a sua fundação e de desacatar um tribunal. Julgamento já teve início
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Yulia Navalnaya, mulher do oposicionista russo Alexei Navalny, preso em Moscou desde janeiro de 2021, classificou como “ilegal e vergonhoso” o julgamento do marido que começou nesta terça-feira (15), dentro da colônia penal na qual ele está detido. As informações são da rede Radio Free Europe.

Yulia fez um longo post no Instagram contestando o julgamento a portas fechadas. “É tão patético que eles tenham medo de realizar o julgamento em Moscou. Afinal, todos entendem perfeitamente como Alexei esmagará a acusação no tribunal e sabem que ele rirá deste julgamento”, disse ela.

Na semana passada, o tribunal distrital de Lefortovo, na região de Moscou, disse que seus juízes viajariam para a colônia penal onde Navalny está detido, na região de Vladimir, para ali realizar o julgamento. As acusações que pesam contra o maior rival político do presidente Vladimir Putin são de peculato, dentro da extinta Fundação Anticorrupção (FBK) que ele comandava, e de desacato a um tribunal moscovita.

O oposicionista é acusado de se apropriar de cerca de US$ 4,7 milhões em doações que haviam sido destinadas à FBK. Já o desacato teria ocorrido durante uma de suas audiências no ano passado. Navalny diz que as acusações têm teor meramente político, pelo fato de ele denunciar a corrupção no governo Putin.

De acordo com Olga Mikhailova, advogada que defenderá Navalny, o fato de o julgamento ocorrer dentro da prisão “afeta seriamente” o direito de ele se defender das acusações. Se condenado, o rival de Putin pode pegar até dez anos de prisão.

“A colônia é uma área restrita e é absolutamente proibido trazer telefones, computadores e outros aparelhos. Portanto, não entendo como o julgamento irá prosseguir”, disse Mikhailova.

O oposicionista Alexei Navalny e a mulher dele, Yulia Navalnaya (Foto: reprodução/Instagram)

Por que isso importa?

Navalny ganhou destaque ao organizar manifestações e concorrer a cargos públicos na Rússia. A principal plataforma do oposicionista é o combate à corrupção no governo de Vladimir Putin, em virtude da qual ele uma cobra profunda reforma na estrutura política do país.

Em agosto de 2020, durante viagem à Sibéria, Navalny foi envenenado e passou meses se recuperando em Berlim. Ele voltou a Moscou em 17 de janeiro de 2021 e foi detido ainda no aeroporto. Um mês depois, foi julgado e condenado a dois anos e meio de prisão por violar uma sentença suspensa de 2014, sob acusação de fraude. Promotores alegaram que ele não se apresentou regularmente à polícia em 2020, justamente quando estava em coma pela dose tóxica.

Encarcerado em uma colônia penal de alta segurança, ele chegou a fazer uma greve de fome de 23 dias em abril de 2021, para protestar contra a falta de atendimento médico. Depois, em junho, um tribunal russo proibiu os escritórios regionais de Navalny e sua fundação, a FBK, de funcionarem, classificando-as como “extremistas”.

Em agosto do ano passado, a Justiça russa abriu uma nova acusação criminal contra o oposicionista, o que poder ampliar a sentença de prisão dele em três anos. Ele foi acusado de “incentivar cidadãos a cometerem atos ilegais”, por meio da FBK que ele criou.

Já em setembro de 2021, uma terceira acusação, por “extremismo”, ameaça estender o encarceramento por até uma década, sendo mantido sob custódia no mínimo até o fim da próxima eleição presidencial, em 2024, quando chega ao fim o atual mandato de seis anos de Vladimir Putin no Kremlin.

Tags: